FEIRA DO LIVRO


28 AGO
29 AGO
30 AGO
31 AGO
01 SET
02 SET
03 SET
04 SET
05 SET
06 SET
07 SET
08 SET
09 SET
10 SET
11 SET
12 SET
13 SET

Limpar Filtros

OK

28 AGO
26 AGO - 13 SET, HORÁRIO FL
PAVILHÃO #36
RÁDIO

RÁDIO ESTAÇÃO

NO AR E EM:

Frequência(MHz) > 91.5 FM 

Lições, Concertos de Bolso, Ecos da Biblioteca Sonora, Certos Outros Sinais, Quintas de Leitura, Conversas Situadas transmitidos em direto

Núcleo de Programação do Museu da Cidade e coletivo Espaço Invisível

A Rádio Estação é simultaneamente um ponto de irradiação e de encontro.

Por um lado, acompanha o visitante nas suas derivas pelo recinto, levando-o a percorrer paisagens sonoras e espaços convocados pela palavra, mas também o silêncio. Ancorado no eixo sonoro do Museu da Cidade, a palavra é soprada em leituras, conversas, informações e orientações. Por outro lado, a força da rádio em frequência e online, estende a possibilidade de assistir em direto às sessões-chave da programação, projetando-a para lá dos jardins do Palácio, num raio de 15 km.


A Rádio Estação é um lugar de passagem e de interferência, uma plataforma para conversas a fundo perdido,entre árvores e a partir dos livros. E no ar!


RÚBRICAS:


PAISAGENS SÓNICAS – o eixo sonoro do MdC irradia os Jardins do Palácio e convida artistas para a transmissão de narrativas, composições e ambientes sonoros gravados ou captados em tempo real

Colaborações de: Jonathan Uliel Saldanha, Hugo Carvalhais, Pedro André, Pedro Augusto, Pedro Tropa, Coletivo Espaço Invisivel (Samuel Martins Coelho + Nuno Preto), Pedro Tudela, Dr. Urânio, entre outros.

 

PALAVRA SOPRADA – leituras, poemas ditos em direto e em diferido, ecos de intérpretes e outros protagonistas

 

ESCRITA | ESCUTA – entrevistas, conversas e conferência radiofónica estendem o tempo da escrita e do pensamento.


SEX 11 SET 10H / DOM 13 SET 20H30

Gonçalo M. Tavares

Conferência Radiofónica — A pandemia e o humano


SEX 28 AGO, 16H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
EDIÇÕES
1820. REVOLUÇÃO LIBERAL DO PORTO

Marcelo Rebelo de Sousa

Rui Moreira

José Manuel Lopes Cordeiro

Nuno Faria

1820, Revolução Liberal do Porto

de José Manuel Lopes Cordeiro

Edição: Câmara Municipal do Porto

Este livro, desenhado por Dayana Lucas, acompanha a Exposição homónima que se encontra no Gabinete do Tempo do Museu da Cidade, na Casa do Infante, até 10 de Janeiro de 2021. Aborda os antecedentes da Revolução Liberal, a sua preparação e execução, assim como a sua propagação a todo o território nacional. Os capítulos finais analisam as eleições para as Cortes Constituintes, a obra legislativa que estas realizaram e a recepção da Revolução no Brasil até ao regresso de D. João VI.

SEX 28 AGO, 17H
FLOYER DO AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
EXPOSIÇÕES

A GUERRA — ANDRÉ LETRIA

Exposição de ilustrações de André Letria para o livro A Guerra com texto de José Jorge Letria, galardoado com o mais recente Prémio Nacional de Ilustração. A Guerra nasce como uma doença sussurrada e cresce a partir do ódio, da ambição e do medo. Não ouve, não vê, tão-pouco sente; mas esmaga e cala. A guerra é, porventura, o mais perene produto em série alguma vez inventado. Num mundo armadilhado como nunca antes, este livro é como um archote que se lança sobre a memória adormecida.

A mostra reúne o conjunto de ilustrações que compõem o livro publicado pelo Pato Lógico em maio de 2018, bem como esboços e desenhos que revelam o processo criativo e o método de trabalho do ilustrador.

SEX 28 AGO, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

AQUILO QUE VOCÊS QUISEREM / S. PEDRO

Curadoria: Maus Hábitos

AQUILO QUE VOCÊS QUISEREM

Um projeto de cinco vozes femininas e seus instrumentos de bolso.Apresentam um reportório de arranjos e novas versões de canções de bandas sonoras do cinema mundial, numa viagem musical muito particular para públicos de todas as idades.


S. PEDRO

Pedro Pode já foi MC de hip-hop e até baterista e uma banda de metal, mas trocou o rap pelo canto e a bateria pela guitarra, e começou a compor canções. Ganhou notoriedade enquanto líder dos dois mil e oito, e agora reinventa-se como S. Pedro. 

SEX 28 AGO, 21H30
LAGO DOS CAVALINHOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO

MAU — UTOPIA

Miguel Ângelo – contrabaixo

Miguel Moreira – guitarras

Mário Costa – bateria

Curadoria: Associação Porta-Jazz

MAU é o novo projeto liderado pelo contrabaixista MiguelÂngelo, e UTOPIA é o título do disco de estreia deste trio.

Segundo uma das várias definições da palavra forjada por Thomas More, “UTOPIA”é um sistema ou plano que parece irrealizável. FANTASIA, QUIMERA, SONHO (in“Dicionário Priberam da Língua Portuguesa”). Este é o pressuposto deste trio edeste disco, que cada tema escrito ou improvisado seja a expressão sincera eintencional de cada elemento e que, no seu somatório, produza a Utopia da coisarealizada!

29 AGO
SÁB 29 AGO, 11H / 15H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINA ITINERANTE
BICHO DA LETRA

Burilar

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação Limitada a cada sessão e implica Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Uma oficina que parte, em jeito de homenagem, do universo dos bichos das histórias de Sepúlveda e também do universo animal presente nos Jardins do Palácio de Cristal; uma oficina que todas as semanas monta e desmonta esqueletos, anatomias, de coisas chamadas bichos letras ou letras bichos. Cada visitante poderá fazer o seu bicho letra e optar por deixá-lo ou levá-lo consigo para viver noutros habitats.

SÁB 29 AGO, 11H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA BEBÉS

AFINAL… O GATO?

por Inácia Cruz

Dirigida a famílias com bebés entre  os 18 e os 36 meses (acompanhadas  por 1 adulto)

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Vamos brincar com os sons, com as palavras, com as sensações, com o impossível, com o que não há? “Gato que brincas na rua como se fosse na cama”… É a partir daqui que o espetáculo começa!

SÁB 29 AGO, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
À VOLTA DOS LIVROS
A GUERRA: PENSAR E ILUSTRAR

com André Letria

Conversa com autor e ilustrador 

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Os livros fazem-nos pensar. Quando os temas neles abordados nos deixam uma sensação de desconforto, muitas vezes sentimos a necessidade de agir. O livro A Guerra é como um archote que se lança sobre a memória adormecida. Depois de o lermos é provável que surja uma vontade urgente de mudar o mundo. A oficina baseada neste livro, com texto de José Jorge Letria, ilustrações de André Letria e edição do Pato Lógico, propõe um momento inicial de reflexão em conjunto, explorando tópicos relacionados com o tema da guerra (a ameaça da tirania, a necessidade do conhecimento da História, o medo como instrumento de controlo e opressão, a importância da intervenção cívica, etc.), seguido de um momento de ação em que cada participante terá de inventar o seu contributo para um mundo melhor.

SÁB 29 AGO, 17H
CONCHA ACÚSTICA
AUTORA HOMENAGEADA

ATRIBUIÇÃO DA TÍLIA A LEONOR DE ALMEIDA

Quem foi Leonor de Almeida? Com o mesmo nome da Marquesa de Alorna, esta outra Leonor foi das mais invulgares poetas do séc. XX.Em tempos aclamada por inúmeros críticos literários, de João Gaspar Simões“dos melhores poetas portugueses contemporâneos” a Jacinto Prado Coelho “uma personalidade lírica invulgar”, passando por Alberto de Serpa “uma faceta nova do feminino na poesia portuguesa” e Artur Portela “dos casos mais extraordinários da poesia moderna”, foi considerada em 1951, pela revista A Serpente, como autora “dos mais fortes poemas até hoje assinados por um nome de mulher em Portugal.”A sua obra foi incluída em diversas Antologias, como Poesia Erótica e Satírica de Natália Correia e Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa de M. Alberta Meneres e E. Melo e Castro.

      Colaborou com poemas, artigos e entrevistas nos principais jornais e revistas dos anos 40–50. Viveu em Londres, Paris, Copenhaga. Publicou 4 livros de poesia. E depois desapareceu, e foi esquecida.Em 2020 cumprem-se 111 anos do seu nascimento, o de uma figura ímpar na cultura portuguesa, que, como mulher e como poeta, esteve sempre muito à frente da época em que viveu.Leonor, que habitou incógnita em Lisboa nos últimos anos de vida, morreu sozinha,em dia desconhecido de Maio de 1983.Nasceu a 25 de Abril. Foi poeta, enfermeira, fisioterapeuta, esteticista, mãe,viajante, aventureira, corajosa, pioneira, mas acima de tudo, livre.


Cláudia Clemente

SÁB 29 AGO, 18H
ILHA
ESPETÁCULOS

REABILITAÇÃO DO POETA DESILUDIDO

Bairro dos Livros

O espetáculo Reabilitação do poeta desiludido baseia o seu conceito numa viagem não cronológica pelos grandes artesãos da palavra do século XX em Portugal, que se inscreve na temáticada própria escrita, no papel do escritor enquanto testemunho de uma época histórica e na relação evolutiva e de oposição entre os vários movimentos artísticos. Esta experiência poética imersiva, pretende associar o espetáculo a quatro exercícios práticos assentes em conceitos inerentes ao poético:


VERDADEIRO E FALSO

Real e Ficção


PALAVRA PROIBIDA

Sinonímia


CONVERSA DE CAFÉ

Intertextualidade


TENTATIVA E ERRO

Materialidade

SÁB 29 AGO, 18H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
AUTORA HOMENAGEADA

LEONOR DE ALMEIDA

LANÇAMENTO DE LIVROS

Cláudia Clemente

Ana Luísa Amaral

Vladimiro Nunes

Ágata Pinho

Nuno Faria

Leonor de Almeida–Na curva dos cardos do tempo (poesia reunida)

Edição: Ponto de Fuga

e

Tatuagens de Luz

de Cláudia Clemente

Edição: DOCUMENTA / Câmara Municipal do Porto

Quem foi Leonor de Almeida? Com o mesmo nome da Marquesa de Alorna, esta outra Leonor foi das mais invulgares poetas do séc. XX.Em tempos aclamada por inúmeros críticos literários, de João Gaspar Simões“dos melhores poetas portugueses contemporâneos” a Jacinto Prado Coelho “umapersonalidade lírica invulgar”, passando por Alberto de Serpa “uma faceta nova do feminino na poesia portuguesa” e Artur Portela “dos casos mais extraordinários da poesia moderna”, foi considerada em 1951, pela revista A Serpente, como autora “dos mais fortes poemas até hoje assinados por um nome de mulher em Portugal.”A sua obra foi incluída em diversas Antologias, como Poesia Erótica e Satírica de Natália Correia e Antologia da Novíssima Poesia Portuguesa de M. Alberta Meneres eE. Melo e Castro.

      Colaborou com poemas, artigos e entrevistas nos principais jornais e revistas dos anos 40–50. Viveu em Londres, Paris, Copenhaga. Publicou 4 livros de poesia. E depois desapareceu, e foi esquecida.Em 2020 cumprem-se 111 anos do seu nascimento, o de uma figura ímpar na cultura portuguesa, que, como mulher e como poeta, esteve sempre muito à frente da época em que viveu.Leonor, que habitou incógnita em Lisboa nos últimos anos de vida, morreu sozinha,em dia desconhecido de Maio de 1983.Nasceu a 25 de Abril. Foi poeta, enfermeira, fisioterapeuta, esteticista, mãe,viajante, aventureira, corajosa, pioneira, mas acima de tudo, livre.


Cláudia Clemente

SÁB 29 AGO, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

CAROL / MIGUEL RAMOS

Curadoria: Maus Hábitos

CAROL

Carollyne Barreira é uma cantautora brasileira,residente em Portugal há 6 anos e com um projeto musical há 3. 

Vinda de uma família de músicos sambistas do nordeste brasileiro, Carolaprende muito cedo a tocar instrumentos de percussão e cordas. 

Recentemente, foi listada pela Time Out entre os 8 compositores portuguesesque revelar-se-ão no ano de 2020.

 

MIGUEL RAMOS

Começou a tocar guitarraclássica aos 9 anos de idade. Fez parte da Orquestra Orff do Porto. Trabalhoucom diversos projectos: Insert Coin, Supernada, Mosh, Mesa, Andrew Thorn, JorgePalma & Os Demitidos, Stopestra. Actualmente desenvolve trabalho com TORTO,HITCH POP, LIVE LOW, Old Jerusalem, Retimbrar, Space Ensemble e Ensemble deGamelão Casa da Música.

SÁB 29 AGO, 19H30
CONCHA ACÚSTICA
CONCERTOS

SURGE

Ser Castro

Ser Castro, heterónimo de Sérgio Castro (Trabalhadores do Comércio) apresenta nos o seu novo álbum, Surge, que contou com a participação de mais de 40 músicos oriundos de Portugal, Espanha, Reino Unido, entre outros, no qual pretende deixar um testemunho do seu outro “EU” que talvez, até agora, poucos tenham tido a oportunidade de conhecer.

SÁB 29 AGO, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS SITUADAS

LIBERDADE & CENSURA

Joaquim Fidalgo

Helena Teixeira da Silva

Mod. Mariana Macedo

Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto

Conversas Situadas é um dos mais importantes segmentos do extenso programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto, inaugurado em fevereiro do corrente ano sob a égide da Câmara Municipal do Porto e abruptamente interrompido pela eclosão da pandemia de COVID’19. Coordenado cientificamente por Pedro Baptista, inesperadamente falecido na altura em que o programa arrancava, integra um amplo conjunto de iniciativas entre as quais desponta, pela vibrante dialética temática, um conjunto de cinco conversas que põem face-a-face figuras incontornáveis do espectro político português moderadas por deputados da Assembleia Municipal do Porto oriundos de diferentes quadrantes políticos.

SÁB 29 AGO, 21H30
LAGO DOS CAVALINHOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO

JOÃO GRILO — HVIT

João Grilo – piano, electrónica e composição

José Soares – sax alto

Curadoria: Associação Porta-Jazz

Apresento-vos uma versão ao quadrado do nosso mais recenteálbum. 

a pergunta é:

caberá o ártico inteiro nos nossos bolsos?

a resposta é:

só saberemos se o tentarmos

30 AGO
DOM 30 AGO, 11H / 15H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINA ITINERANTE
BICHO DA LETRA

Burilar

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Uma oficina que parte, em jeito de homenagem, do universo dos bichos das histórias de Sepúlveda e também do universo animal presente nos Jardins do Palácio de Cristal; uma oficina que todas as semanas monta e desmonta esqueletos, anatomias, de coisas chamadas bichos letras ou letras bichos. Cada visitante poderá fazer o seu bicho letra e optar por deixá-lo ou levá-lo consigo para viver noutros habitats.

DOM 30 AGO, 11H
JARDIM DA PENA
INFANTOJUVENIL

PORTO LITERÁRIO TROCADO POR MIÚDOS

Visita performativa

Inscrições e mais informação em geral@bairrodoslivros.com

Lotação: 30 pessoas

Proposta de visitação de uma  zona da cidade a partir da Literatura, nomeadamente, a partir de um conjunto de livros infantojuvenis de autores ligados ao Porto. A tour acontece com recurso a audioguias para o acompanhamento da viagem através de excertos da obra e do trabalho performativo de uma equipa de atores que animam o percurso e introduzem jogos.

DOM 30 AGO, 12H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
LIÇÕES
A GUERRA DOS SEXOS? MULHERES EM SHAKESPEARE

por Ana Luísa Amaral

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Desde Catarina, a noiva indisciplinada, depois (demasiado?) domesticada, de O amansar da fera, até Lady Macbeth, a mulher ávida e sem escrúpulos, de Macbeth, passando por Cordelia, a filha leal e corajosa, de Rei Lear, ou por Pórcia, a mulher apaixonada e inteligente, de O mercador de Veneza, William Shakespeare criou uma extraordinária galeria de personagens femininas poderosas e de grande autonomia que ainda hoje fascinam e surpreendem. Será em torno de Catarina, Pórcia, Cordelia e Lady Macbeth, e das ambíguas relações de poder (familiar, político, sexual) que nelas, nas suas palavras e nos seus corpos, se exercitam e defrontam que irá versar esta lição.

DOM 30 AGO, 16H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
EDIÇÕES

ANTES DE MAIS E DEPOIS DE TUDO

Regina Guimarães

Rui Manuel Amaral

Nuno Gomes

Ana Deus

Antes demais e depois de tudo

de Regina Guimarães

Edição: Exclamação

Antes de mais e depois de tudo éa primeira antologia da extensa obrapoética de Regina Guimarães com poemas escolhidos a partir de vários dosseus livros.Uma selecção breve e pensada paraoferecer, tanto quanto possível, uma visãopanorâmica da vasta e singularíssima obrada autora, iniciada em 1974.

DOM 30 AGO, 17H
ILHA
TRENGOS À SOLTA

MARIANA & ALFREDO  / RITA MARTINS /  LUÍS REIS

Companhia Erva Daninha

Propostas de circo contemporâneo de vários artistas e diferentes áreas organizadas pela Erva Daninha. Discursos virtuosistas através do corpo e da sua relação com o espaço e os objetos. Olhares distintos sobre a mulher, o homem, as suas relações, tensões, rituais e riscos.

DOM 30 AGO, 17H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA FAMÍLIAS
PELA PONTA DO NARIZ

Contos musicados

O Som do Algodão celebra os 50 anos de histórias de Luísa Ducla Soares e veste os bichos como se fossem gente, transforma os dedos da mão em estrelas de cinco pontas. E a Lua? O sol é caro, a Lua é tua. E então? A Cornélia virou animal de estimação, o menino guloso come o bolo-rei só de uma vez. Tudo “pela ponta do nariz” da filha do juiz.

Um espetáculo que junta a bicharada, lengalengas ao desafio e poemas gulosos para encher a barriga. Para famílias, em família. Uma festa em que as palavras se juntam todas à mesa.

DOM 30 AGO, 19H
AUDITÓRIO DO SUPER BOCK ARENA — PAVILHÃO ROSA MOTA
DEBATES

DAVID MACHADO

PATRÍCIA REIS

Mod. Pedro Santos Guerreiro

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Alegria para o fim do mundo é o mote da Feira do Livro do Porto deste ano, a partir de um verso da poeta Andreia C. Faria. Nos debates previstos — que incluem desde nomes consagrados da literatura e do pensamento em língua portuguesa, a jovens revelações — pretendemos refletir sobre o papel da palavra na reiniciação e reinvenção do mundo: pode o verbo, como assegura a Bíblia, fabricar uma nova realidade? Pode a literatura preparar-nos para a incerteza dos dias futuros? David Machado conversará com Patrícia Reis sobre os mais belos fins do mundo da história da literatura; João Tordo irá sentar-se ao lado da jovem romancista angolana Yara Monteiro para discutir questões de identidade e de lugar de origem na ficção contemporânea; a romancista brasileira Tatiana Salém Levy falará com Rui Cardoso Martins sobre violência e redenção; Clara Ferreira Alves e Sobrinho Simões tentarão espreitar para além da bruma dos dias que correm, e perceber o que mudou para sempre e o que deveria mudar; Richard Zimler e Joana Bértholo falarão sobre o futuro do futuro: como escrever distopias num tempo distópico? 

O abismo olha para nós. Mas nós trazemos livros e a alegria da palavra criadora.  

Vamos recomeçar o mundo. 

SEX 30 AGO,19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

CÁTIA OLIVEIRA / MIGUEL BANDEIRINHA

Curadoria: Maus Hábitos

CÁTIA DE OLIVEIRA

Cátia de Oliveira iniciou-se no fado aos 7 anos. Venceu o Concurso de Fado de Lordelo do Ouro em 2008 e integrou o elenco do Restaurante Típico MalCozinhado. Em 2017 teve o seu próprio espetáculo na Casa da Música que originou o seu 3º álbum. Atualmente faz parte do projeto “Fado na Baixa” e canta em casas de fado típicas no Porto e Lisboa.

 

MIGUEL BANDEIRINHA

Natural do Porto, desde muito pequeno que o Fado faz parte da sua vida.

Em 2009 abraça a canção nacional profissionalmente tornando-se presença regular em Noites de Fado, Jornais, Televisão e Rádios. Atualmente é presença constante nas Casas de Fado e Palcos de norte a sul do país. É autor e conta com dois trabalhos discográficos editados.

DOM 30 AGO, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CICLO LYNN HERSHMAN LEESON

COMMERCIALS FOR NY HOTEL ROOMS / SEDUCTION OF A CYBORG / VERTIGHOST / SHADOW STALKER

Commercials for New York Hotel Rooms (Plaza, Chelsea and Y.M.C.A.) — EUA, 1974, 2’

Seduction of a Cyborg — EUA, 1994, 7’

Vertighost — EUA, 2017, 13’

Shadow Stalker — EUA, 2019, 10’

Curadoria: Guilherme Blanc (Diretor de Arte Contemporânea e Cinema, Ágora E.M.)

Os principais temas de Leeson atravessam esta sessão panorâmica da sua obra fílmica, múltipla nos seus dispositivos e estilos, e que se distingue pela sua presciência: Seduction of a Cyborg apresenta uma alegoria poética em vídeo sobre os perigos da tecnologia, e a relação entre corpo e máquina; o “micro filme” VertiGhost parte de Vertigo para trabalhar conceitos de identidade e autenticidade no espaço museológico; e o seu mais recente filme, Shadow Stalker, de uma atualidade fraturante, integra uma “instalação live multidisciplinar” sobre sistemas de policiamento preditivo que promovem racismo e discriminação.


Apresentado por: Sara Castelo Branco (Curadora / Investigadora) e Kitty Furtado (Investigadora no CES – UC /Membro do Núcleo Antirracista do Porto)


TECHNOCISTEM, CORPO E TECNOLOGIA NA OBRA FEMINISTA DE LYNN HERSHMAN LEESON

Foi ‘descoberta’ enquanto artista aos 72 anos, disse-o numa entrevista recente à revista Frieze. Hoje uma figura fundamental na arte contemporânea, a artista Lynn Hershman Leeson viu-se apagada ao longo do tempo por lógicas impostas ao sistema da arte e do cinema, nomeadamente discursivas e de género.Vinculou-se, desde finais dos anos 70 (encarnando no dia-a-dia a personagem ‘Roberta Breitmore’), a preocupações no âmbito das políticas do corpo e da condição da mulher,relacionando-as de forma inventiva com ideias de tecnologia,comunicação e virtualidade. No cinema, filmou um dos mais influentes documentos sobre feminismo, tratou assuntos científicos com preocupações plásticas incomuns, pensou teorias de ligação entre corpos e máquinas, estabeleceu com Tilda Swinton a sua mais prolífica parceria.

      Bizarros, humorísticos e criticamente envolventes, os seus filmes surgem hoje com pungência, denunciando um a influência inequívoca na linguagem de novos artistas que tratam problemáticas digitais e de identidade; nem sempre compreendidos ou apreciados, traduzem-se atualmente em obras de grande iconoclastia visual, mas também crítica.

      Em cinco sessões, propomos mostrar a forma como– através da ficção, da linguagem documental e do ensaio – a obra da artista antecipou visualidades e conceitos que marcam práticas artísticas atuais, testando limites e relações entre o cinema e o ‘filme de artista’, explorando problemáticas culturais que hoje são incontornáveis.

dia

SEG 31 AGO, 18H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CURSO BREVE

RUBEN A., UM CLÁSSICO ABSOLUTAMENTE MODERNO

por Dália Dias

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Ruben A.propõe-se uma abordagem à vida e à escrita do autor partindo da sua obra autobiográfica, O Mundo à minha Procura e Páginas, analisando-se a forte relação que estabelece com as artes plásticas, outros autores e outras escritas. A orientação das sessões refletirá um permanente convite à leitura ativa e à interpretação aberta dos textos abordados.


Próximas sessões:  QUI 03 SET / SEG 07 SET / QUI 10 SET, 18H

01 SET
TER 01 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
ILUSTRAÇÃO

por Bárbara Rocha

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Os participantes são convidados a experimentar diferentes materiais e modos de ilustrar através de técnicas como desenho, colagem, decalque que resultarão em experiências únicas.

TER 01 SET, 18H30
CONCHA ACÚSTICA
PALAVRA SOPRADA

ECOS DA BIBLIOTECA SONORA

Programador: Núcleo de Programação do Museu da Cidade

Tomando de empréstimo um verso de Leonor de Almeida "SABER-TE RAINHA DAS ÁRVORES DA NOITE", a poeta homenageada na edição deste ano, o programa Ecos da Biblioteca Sonora revela pela primeira vez em espaço público o maravilhoso trabalho invisível realizado por um conjunto de pessoas cuja missão é tornar a leitura possível para aqueles dentre nós que não têm ou perderam a faculdade da visão. Situada desde o princípio dos anos 1970 na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a Sonora tornou-se, em 2019, uma das estações do Museu da Cidade e não só prosseguirá a sua vocação primeira como verá ampliada a sua tarefa de propagação sónica à escala da cidade. Na Concha Acústica reunir-se-ão um conjunto de leitores para dizer, em polifonia de vozes, os textos escolhidos por Ilda David e pelo Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito das exposições Por trás das árvores há um outro mundo e Livros são Árvores, Bibliotecas São Florestas, patentes até outubro, respectivamente, no Gabinete de Desenho, na Casa Guerra Junqueiro, e no Gabinete do Som, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, em São Lázaro.


Leitura de Ana Saldanha, Isabel Perry, José Carlos Azevedo, José Pedro Baranita, Cecilia Monção, Conceição Sousa, Joana Barbedo, Maria João Cunha Coutinho, Mónica Macedo Pinto, Paula Abrunhosa, Rosário Sottomayor, Rui Salgado Carreira, Sara Silva, Sónia Coimbra e Vanda Pinto. 


Encenação Colectivo Espaço Invisível

TER 01 SET, 19H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
EDIÇÕES

SEQUÊNCIAS NARRATIVAS COMPLETAS / A ESPANHA DAS ESPANHAS

João Sousa Cardoso

António Guerreiro

Jacques Lemière

Sequências Narrativas e A Espanha das Espanhas

de João Sousa Cardoso

Edição: Book Cover

Um texto dramático Sequências narrativas completas e um diário de viagem– A Espanha das Espanhas de João Sousa Cardoso partilham uma reflexão sobre as imagens (em sentido lato: arte, viagens, cidades, museus, ruínas, outros textos literários). Sequências narrativas completas trata o texto do espetáculo com o mesmo nome que João Sousa Cardoso estreou no Teatro Nacional D. Maria II em 2019, numa conversa com Álvaro Lapa onde não se apresentam outras imagens visuais além de uma fotografia de cena. A Espanha das Espanhas é um diário de uma incursão que aconteceu há dez anos por todo o território do país vizinho, trata de imagens, pensa o arcaico e uma certa ideia de Ibéria a partir de um mapa com o desenho do itinerário. Uma edição em díptico, com projeto gráfico de Pedro Nora.

TER 01 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CICLO LYNN HERSHMAN LEESON

CONCEIVING ADA

EUA, Alemanha, 1997, 85’

Curadoria: Guilherme Blanc (Diretor de Arte Contemporânea e Cinema, Ágora E.M.)

Nesta fantasia cibernética, pioneira na criação de “cenários virtuais” em vídeo, Tilda Swinton encarna Ada Lovelace, filha do poeta Lord Byron e autora da primeira linguagem de programação 100 anos antes de o computador ser inventado. Conhecemo-la através de Emmy, cientista que, recorrendo a uma tecnologia inovadora, consegue comunicar com ela – e compromete-se a salvá-la da condição de mulher no século XIX. Um filme profético e feminista, que é também uma reflexão sobre memória e imortalidade.


Apresentado por: Né Barros (Coreógrafa / Diretora Artística do Balleteatro)


TECHNOCISTEM, CORPO E TECNOLOGIA NA OBRA FEMINISTA DE LYNN HERSHMAN

Foi ‘descoberta’ enquanto artista aos 72 anos, disse-o numa entrevista recente à revista Frieze. Hoje uma figura fundamental na arte contemporânea, a artista Lynn Hershman Leeson viu-se apagada ao longo do tempo por lógicas impostas ao sistema da arte e do cinema, nomeadamente discursivas e de género.Vinculou-se, desde finais dos anos 70 (encarnando no dia-a-dia a personagem ‘Roberta Breitmore’), a preocupações no âmbito das políticas do corpo e da condição da mulher,relacionando-as de forma inventiva com ideias de tecnologia,comunicação e virtualidade. No cinema, filmou um dos mais influentes documentos sobre feminismo, tratou assuntos científicos com preocupações plásticas incomuns, pensou teorias de ligação entre corpos e máquinas, estabeleceu com Tilda Swinton a sua mais prolífica parceria.

      Bizarros, humorísticos e criticamente envolventes, os seus filmes surgem hoje com pungência, denunciando um a influência inequívoca na linguagem de novos artistas que tratam problemáticas digitais e de identidade; nem sempre compreendidos ou apreciados, traduzem-se atualmente em obras de grande iconoclastia visual, mas também crítica.

      Em cinco sessões, propomos mostrar a forma como– através da ficção, da linguagem documental e do ensaio – a obra da artista antecipou visualidades e conceitos que marcam práticas artísticas atuais, testando limites e relações entre o cinema e o ‘filme de artista’, explorando problemáticas culturais que hoje são incontornáveis.

02 SET
QUA 02 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
BRINQUEDOS

por Simão Bolivar

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Esta oficina pretende desenvolver a criatividade na arte de brincar, mostrando exemplos de como é possível recriar objetos dando-lhes novas funções, assim como sensibilizar o público para as questões ambientais, designadamente a importância da separação dos resíduos.

QUA 02 SET, 18H30
CONCHA ACÚSTICA
PALAVRA SOPRADA

ECOS DA BIBLIOTECA SONORA

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

Tomando de empréstimo um verso de Leonor de Almeida "SABER-TE RAINHA DAS ÁRVORES DA NOITE", a poeta homenageada na edição deste ano, o programa Ecos da Biblioteca Sonora revela pela primeira vez em espaço público o maravilhoso trabalho invisível realizado por um conjunto de pessoas cuja missão é tornar a leitura possível para aqueles dentre nós que não têm ou perderam a faculdade da visão. Situada desde o princípio dos anos 1970 na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a Sonora tornou-se, em 2019, uma das estações do Museu da Cidade e não só prosseguirá a sua vocação primeira como verá ampliada a sua tarefa de propagação sónica à escala da cidade. Na Concha Acústica reunir-se-ão um conjunto de leitores para dizer, em polifonia de vozes, os textos escolhidos por Ilda David e pelo Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito das exposições Por trás das árvores há um outro mundo e Livros são Árvores, Bibliotecas São Florestas, patentes até outubro, respectivamente, no Gabinete de Desenho, na Casa Guerra Junqueiro, e no Gabinete do Som, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, em São Lázaro.


Leitura de Ana Saldanha, Isabel Perry, José Carlos Azevedo, José Pedro Baranita, Cecilia Monção, Conceição Sousa, Joana Barbedo, Maria João Cunha Coutinho, Mónica Macedo Pinto, Paula Abrunhosa, Rosário Sottomayor, Rui Salgado Carreira, Sara Silva, Sónia Coimbra e Vanda Pinto. 


Encenação Colectivo Espaço Invisível

QUA 02 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

CONFERÊNCIA INFERNO / BALEIA BALEIA BALEIA

Curadoria: Maus Hábitos

CONFERÊNCIA INFERNO

“Pop náutico e militarizado levou uma injecçãode pica descontrolada e o kraut um supositório de tensão. Pastilhas coloridasde surrealismo foram dissolvidas na água da dark wave mais escura e o punkenfiado num colete de forças com fecho electrónico.” (Manuel Molarinho)

 

BALEIA BALEIA BALEIA

Dupla formada por Manuel Molarinho (baixo e voz) e Ricardo Cabral (bateria).'Nasceram de jams informais numa sala de Cedofeita, no Porto. Baixo afiado como guitarra e bateria vitaminada. Isso e um olhar mordaz sobre a nossa sociedade tecnológica.' (Mário Lopes, Público)

03 SET
QUI 03 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
ILUSTRAÇÃO

por Bárbara Rocha

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Os participantes são convidados a experimentar diferentes materiais e modos de ilustrar através de técnicas como desenho, colagem, decalque que resultarão em experiências únicas.

QUI 03 SET, 17H
CONCHA ACÚSTICA
CERTOS OUTROS SINAIS
CONVERSAS SOBRE O PORTO COM FERNANDO ALVES

Carlos Tê 

Germano Silva

Programação: João Gesta

Uma das vozes mais emblemáticas da rádio portuguesa –Fernando Alves– à conversa com figuras luminosas deste Porto coriáceo e solidário, onde “a palavra liberdade é menos secreta”.

Conversas sem rede e sem rumo, ao sabor da brisa da Avenida das Tílias. Sessenta minutos de reflexão sobre a realidade, agora transfigurada.

Um olhar lúcido e libertador sobre a cidade, as suas gentes, os novos gestos impostos pela crise, o caminho incendiário do futuro.

O Porto ao ritmo das emoções dos nossos convidados. Maré Alta!

 QUI 03 SET, 18H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CURSO BREVE

RUBEN A., UM CLÁSSICO ABSOLUTAMENTE MODERNO

por Dália Dias

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Ruben A.propõe-se uma abordagem à vida e à escrita do autor partindo da sua obra autobiográfica, O Mundo à minha Procura e Páginas, analisando-se a forte relação que estabelece com as artes plásticas, outros autores e outras escritas. A orientação das sessões refletirá um permanente convite à leitura ativa e à interpretação aberta dos textos abordados.


Próximas sessões: SEG 07 SET / QUI 10 SET, 18H

QUI 03 SET, 18H30
CONCHA ACÚSTICA
PALAVRA SOPRADA

ECOS DA BIBLIOTECA SONORA

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

Tomando de empréstimo um verso de Leonor de Almeida "SABER-TE RAINHA DAS ÁRVORES DA NOITE", a poeta homenageada na edição deste ano, o programa Ecos da Biblioteca Sonora revela pela primeira vez em espaço público o maravilhoso trabalho invisível realizado por um conjunto de pessoas cuja missão é tornar a leitura possível para aqueles dentre nós que não têm ou perderam a faculdade da visão. Situada desde o princípio dos anos 1970 na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a Sonora tornou-se, em 2019, uma das estações do Museu da Cidade e não só prosseguirá a sua vocação primeira como verá ampliada a sua tarefa de propagação sónica à escala da cidade. Na Concha Acústica reunir-se-ão um conjunto de leitores para dizer, em polifonia de vozes, os textos escolhidos por Ilda David e pelo Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito das exposições Por trás das árvores há um outro mundo e Livros são Árvores, Bibliotecas São Florestas, patentes até outubro, respectivamente, no Gabinete de Desenho, na Casa Guerra Junqueiro, e no Gabinete do Som, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, em São Lázaro.


Leitura de Ana Saldanha, Isabel Perry, José Carlos Azevedo, José Pedro Baranita, Cecilia Monção, Conceição Sousa, Joana Barbedo, Maria João Cunha Coutinho, Mónica Macedo Pinto, Paula Abrunhosa, Rosário Sottomayor, Rui Salgado Carreira, Sara Silva, Sónia Coimbra e Vanda Pinto. 


Encenação Colectivo Espaço Invisível

QUI 03 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

DULLMEIA / JOÃO PAIS FILIPE

Curadoria: Maus Hábitos

DULLMEA

Forma-se na ESMAE. Em 2016, lança “Keter”e em2019, lança “Hemisphaeria”, álbum editado e apresentado com o apoio FundaçãoGDA e DGArtes. Destacam-se os concertos no Festival LEM (Barcelona, ES), noMuseu de Arte Contemporânea (São Paulo, BR), na Exposição “Obedience andDefiance” de Paula Rego (Milton Keynes, EN) e Frameless Series (Munique, DE).

 

JOÃO PAIS FILIPE

JoãoPais Filipe é um baterista, percussionista e escultor sonoro do Porto, nascidona década de 80. O seu trilho enquanto músico é assinalado pela colisão deuma grande amplitude de estilos e linguagens, ao mesmo tempo que mantém umaactividade regular no universo da música improvisada.

04 SET
SEX 04 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
BRINQUEDOS

por Simão Bolivar

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Esta oficina pretende desenvolver a criatividade na arte de brincar, mostrando exemplos de como é possível recriar objetos dando-lhes novas funções, assim como sensibilizar o público para as questões ambientais, designadamente a importância da separação dos resíduos.

SEX 04 SET, 17H
CONCHA ACÚSTICA
CERTOS OUTROS SINAIS
CONVERSAS SOBRE O PORTO COM FERNANDO ALVES

Luísa Pinto

Nuno Camarneiro

Programação: João Gesta

Uma das vozes mais emblemáticas da rádio portuguesa –Fernando Alves– à conversa com figuras luminosas deste Porto coriáceo e solidário, onde “a palavra liberdade é menos secreta”.

Conversas sem rede e sem rumo, ao sabor da brisa da Avenida das Tílias. Sessenta minutos de reflexão sobre a realidade, agora transfigurada.

Um olhar lúcido e libertador sobre a cidade, as suas gentes, os novos gestos impostos pela crise, o caminho incendiário do futuro.

O Porto ao ritmo das emoções dos nossos convidados. Maré Alta!

SEX 04 SET, 17H30
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONTOS À SEXTA
TRAPOS COM HISTÓRIAS

por Saphir Cristal

Sessão com contadores de histórias

Dirigida a crianças M/3 anos (acompanhadas por 1 adulto)

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Saphir Cristal e o músico Celso Miguel viajam de jardim em jardim, num colorido e gigante vestido de contos. De um baúde histórias recheado de composições originais nascem divertidas canções inspiradas em histórias de princesas baixinhas, dinossauros, fadas e crocodilos às pintas e às riscas. Um mundo mágico de histórias que a Saphir sabe tão bem musicar e trazer presente para todos aqueles que acreditam na magia das histórias.

SEX 04 SET, 19H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
EDIÇÕES

REGRESSO AO FUTURO: DEBATE SOBRE POST MILLENIUM

André Barata

Inês Nepomuceno

Lara Jacinto

José Bártolo

POST MILLENIUM

de André Barata

Inês Nepomuceno

Lara Jacinto

Edição Porto Design Biennale

REGRESSO AO FUTURO: DEBATE SOBRE POST MILLENIUM – CRITICAL ESSAYS ON CONTEMPORARY TENSIONS

Publicados no âmbito da Porto Design Biennale ’19, os três números do jornal Post Millennium mapeiam as tensões que marcam a condição pós-milenar. Através da publicação de ensaios originais e entrevistas e de um trabalho seletivo de republicação, o jornal constitui em espaço de questionamento, confronto e partilha da contemporaneidade pelo prisma do Design e das Artes.

Questões como o papel do Design em momentos de crise, o poder da fábula na construção do discurso europeu, os efeitos simbólicos dos vírus e os novos desafios colocados à ideia de fronteira serão abordadas nesta conversa entre o editor do jornal e alguns dos artistas e pensadores que para ele contribuíram.

SEX 04 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

SPITZ / KESO

Curadoria: Maus Hábitos

SPITZ

MC nortenha, tem como primeiro destaque pertencer ao duo Poker. Entreparticipações, foi host na rádio de rap online, Rapisodes. 

Membro do colectivo Zona 4, está  inserida no projecto de rap hardcoreTriade Negra. A solo, prepara o seu primeiro álbum "Infâmia", do qualja apresentou o single.

 

KESO

Keso,nome artístico, ou Marco Ferreira é um músico e DJ da Cidade do Porto que contajá com quatro discos de originais no seu repertório, recentemente editou acompilação "Sinceramente Porto" e conta com mais de uma centenade espetáculos em todo o país, nos mais diversos âmbitos. 

SEX 04 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS SITUADAS
SÚBDITOS & CIDADÃOS

Vital Moreira

Jaime Nogueira Pinto

Mod. Miguel Pereira Leite

Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto

Conversas Situadas é um dos mais importantes segmentos do extenso programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto, inaugurado em fevereiro do corrente ano sob a égide da Câmara Municipal do Porto e abruptamente interrompido pela eclosão da pandemia de COVID’19. Coordenado cientificamente por Pedro Baptista, inesperadamente falecido na altura em que o programa arrancava, integra um amplo conjunto de iniciativas entre as quais desponta, pela vibrante dialética temática, um conjunto de cinco conversas que põem face-a-face figuras incontornáveis do espectro político português moderadas por deputados da Assembleia Municipal do Porto oriundos de diferentes quadrantes políticos.

SEX 04 SET
LAGO DOS CAVALINHOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO

A INCERTEZA DO TRIO CERTO

AP – guitarra e composição

Diogo Dinis – contrabaixo

Miguel Sampaio - bateria

Curadoria: Associação Porta-Jazz

 

A incerteza do trio certo nasce da vontade de fazer música.Nasce das afinidades musicais e pessoais do seus elementos, dos seus imaginários, da sua forma de ver e de fazer música. A influência de variados estilos está presente no conceito e no som do trio. Há temas que surgem a partir de uma ideia rítmica que depois é explorada, variada. Noutros o mote é apenas a exploração de cores, de ambientes. Noutros ainda é a melodia ou um groove que estão na base da composição. Mas em todos há uma ideia que depois é explorada, desenvolvida. Nos temas, as partes escritas e improvisadas juntam-separa contar uma história que tenta sempre ser diferente e espontânea. Queremos que a música nunca seja a mesma de cada vez que a tocamos - que vá para sítios diferentes e volte para par(t)ir outra vez. “O que amamos na música é a capacidade que ela tem de nos levar...de nos fazer sentir...de ser visceral, de nos proporcionar momentos de partilha, de nos fazer dançar. A incerteza do trio certo tem como única certeza a vontade de fazer música pela música, de peito aberto, sem pretensão alguma e com metade do cérebro desligado. 

05 SET
SÁB 05 SET, 11H / 15H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINA ITINERANTE
BICHO DA LETRA

Burilar

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação Limitada a cada sessão e implica Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Uma oficina que parte, em jeito de homenagem, do universo dos bichos das histórias de Sepúlveda e também do universo animal presente nos Jardins do Palácio de Cristal; uma oficina que todas as semanas monta e desmonta esqueletos, anatomias, de coisas chamadas bichos letras ou letras bichos. Cada visitante poderá fazer o seu bicho letra e optar por deixá-lo ou levá-lo consigo para viver noutros habitats.

SÁB 05 SET, 11H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA BEBÉS
MÚSICA PARA TODOS

por Saphir Cristal

Espetáculo para bebés

Dirigida a famílias com bebés entre  os 18 e os 36 meses (acompanhadas  por 1 adulto)

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

É um concerto especialmente criado para o universo infantil mas com um deslumbre e uma teatralidade tão presente que todos se rendem ao encanto que é este encontro da música com e para as pessoas.

SÁB 05 SET, HORÁRIO FL
TERREIRO DA BIBLIOTECA
FEIRA DA ALEGRIA

A FEIRA DO LIVRO CONVIDA A FEIRA DA ALEGRIA

Atelier Caldeiras; Atelier Guilhotina/Ana Torrie; Bárbara R.; Bazar Esquisito; Bazar Galiza; Carolina Celas; Carolina Garfo; Ceci de F; Cynthia Alfonso; Edições Amateur; Favela Discos; Filipe Felizardo; FOJO + Mariana Caló eFrancisco Queimadela; Gabinete Paratextual; Gonçalo Duarte; Homem do Saco; Imprensa Canalha; Joana Estrela; Joana Lourencinho Carneiro; Joaquim Pires; Lavandaria; Lovers & Lollypops; Mariana Malhão; Mariana, a Miserável; Marvellous Tone; Nada Pouco Quase Muito; O Gorila; ÓcioOficina Arara; Oficina Atalaia; Oficina do Cego; Oscar Ranha; Paperplanes; Revista Prego; Rubber Mirror; S.I.R.O.C.O; Sismógrafo, Stolen Books; Uma Joana

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

A Feira do Livro convida a Feira da Alegria — mercado de edição, transumância gráfica e escatologia comercial — reúne, desde 2015, estruturas e formas de sobrevivência criativas,genericamente categorizadas como alternativas ou independentes, que persistem como movimentos individualizados, difusos e dispersos. Esta agremiação contempla colectivos de serigrafia, gravura, tipografia,ilustradores, editores, artistas, e distingue-se por privilegiar fenómenos de comunicação lenta, opaca e texturada numa combinação heurística entre artes visuais, som e literatura. Se no frontispício alegórico da História da Impressão de Prosper Marchand (1740) a impressão descendia dos céus para os grandes mestres, na suspensão pandémica ela emerge de esforços improváveis de subsistência artística envoltos num pequeno inferno de invisibilidade. A oportunidade de expore integrar numa Feira do Livro estes micro universos onde o tempo da publicação se define pelo acidente e pela ocasião é um desafio criativo tanto para quem publica, como para quem lê e vê. A amálgama gráfica promete ser expressiva e — à imagem de Francis Bacon — para todos os palatos,onde “alguns livros são para ser saboreados, outros para ser engolidos e alguns para ser mastigados e digeridos”.

      O núcleo de programação do Museu da Cidade convida a artista Mariana Malhão, (1994, Coimbra) a criar um elenco de personagens efémeras que dá corpo à diversidade de experiências no palco da Concha Acústica.

      Mariana Malhão, publicou o seu primeiro álbum ilustrado em 2018, intitulado Uma Rosa na Tromba de um Elefante com a editora Orfeu Negro. Cofundadora da galeria Senhora Presidenta, trabalhou com o coletivo Oficina Arara,após completar a sua formação em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes do Porto.

SÁB 05 SET, 12H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
LIÇÕES
BOVARY, KARENINA E TALVEZ CAPITU

por Joana Matos Frias

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Shakespeare, o mais notável inventor de  personagens, será sempre recordado por Hamlet e Othello, Iago e Falstaff, Lear ou Macbeth; mas também por Lady Macbeth, Juliet ou Rosalind. Não é assim certo que um grande ficcionista só tenha o poder de dar à luz personagens masculinas inesquecíveis, e é disso mesmo que falam as obras-primas de Flaubert, Tolstoi e Machado de Assis. Se Flaubert é Bovary, Tolstoi é Karenina, e Machado talvez seja Capitu: enredados em complicadíssimas ligações perigosas, os próprios criadores ficaram irremediavelmente reféns das suas criaturas. E, nós, leitores do século XXI, que papel temos na vitalidade destas figuras? O que há nelas de tão forte que explique a sua tão vigorosa imortalidade?

SÁB 05 SET, 14H30—16H30 / 17H30—19H30
LAGO DOS CAVALINHOS
INFANTOJUVENIL

MINI PORTOBELO

Um mercadinho feito de crianças e para crianças, em que os mais pequenos vendem os seus livros já lidos e brinquedos usados a preços simbólicos. Na 61ª edição do Mini Portobelo haverá muita alegria no reencontro de todos.

O Mini Portobelo tem em consideração o espírito do Mercado Portobelo habitual, o da venda dos mais diversos produtos para todos os gostos, idades e interesses. No entanto, como é dirigido a crianças, tem uma vertente mais lúdica, criativa e espontânea. Pretende-se que sejam as crianças as protagonistas deste evento, que devem começar por definir como querem participar.

SÁB 05 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
À VOLTA DOS LIVROS
FUNGAGÁ DA BICHARADA

com Eduarda Lima

Conversa com autor e ilustrador 

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Mas, afinal, o que nos estão a tentar dizer os animais? Vamos dar-lhes voz e construir um pequeno protesto animalesco coletivo, feito de embalagens recortadas, tampinhas de garrafas e com direito a mini-cartazes. Vai ser um verdadeiro Fungagá da Bicharada!

SÁB 05 SET, 17H
CONCHA ACÚSTICA
CERTOS OUTROS SINAIS
CONVERSAS SOBRE O PORTO COM FERNANDO ALVES

Miguel Guedes

Fátima Vieira

Programação: João Gesta

Uma das vozes mais emblemáticas da rádio portuguesa –Fernando Alves– à conversa com figuras luminosas deste Porto coriáceo e solidário, onde “a palavra liberdade é menos secreta”.

Conversas sem rede e sem rumo, ao sabor da brisa da Avenida das Tílias. Sessenta minutos de reflexão sobre a realidade, agora transfigurada.

Um olhar lúcido e libertador sobre a cidade, as suas gentes, os novos gestos impostos pela crise, o caminho incendiário do futuro.

O Porto ao ritmo das emoções dos nossos convidados. Maré Alta!

SÁB 05 SET, 18H
ILHA
ESPETÁCULOS

REABILITAÇÃO DO POETA DESILUDIDO

Bairro dos Livros

O espetáculo Reabilitação do poeta desiludido baseia o seu conceito numa viagem não cronológica pelos grandes artesãos da palavra do século XX em Portugal, que se inscreve na temáticada própria escrita, no papel do escritor enquanto testemunho de uma época histórica e na relação evolutiva e de oposição entre os vários movimentos artísticos. Esta experiência poética imersiva, pretende associar o espetáculo a quatro exercícios práticos assentes em conceitos inerentes ao poético:


VERDADEIRO E FALSO

Real e Ficção


PALAVRA PROIBIDA

Sinonímia


CONVERSA DE CAFÉ

Intertextualidade


TENTATIVA E ERRO

Materialidade

SÁB 05 SET, 19H
AUDITÓRIO DO SUPER BOCK ARENA — PAVILHÃO ROSA MOTA
DEBATES

JOÃO TORDO

YARA MONTEIRO

Mod. Teresa Nicolau

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Alegria para o fim do mundo é o mote da Feira do Livro do Porto deste ano, a partir de um verso da poeta Andreia C. Faria. Nos debates previstos — que incluem desde nomes consagrados da literatura e do pensamento em língua portuguesa, a jovens revelações — pretendemos refletir sobre o papel da palavra na reiniciação e reinvenção do mundo: pode o verbo, como assegura a Bíblia, fabricar uma nova realidade? Pode a literatura preparar-nos para a incerteza dos dias futuros? David Machado conversará com Patrícia Reis sobre os mais belos fins do mundo da história da literatura; João Tordo irá sentar-se ao lado da jovem romancista angolana Yara Monteiro para discutir questões de identidade e de lugar de origem na ficção contemporânea; a romancista brasileira Tatiana Salém Levy falará com Rui Cardoso Martins sobre violência e redenção; Clara Ferreira Alves e Sobrinho Simões tentarão espreitar para além da bruma dos dias que correm, e perceber o que mudou para sempre e o que deveria mudar; Richard Zimler e Joana Bértholo falarão sobre o futuro do futuro: como escrever distopias num tempo distópico? 

O abismo olha para nós. Mas nós trazemos livros e a alegria da palavra criadora.  

Vamos recomeçar o mundo. 

SÁB 05 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

ANGÉLICA SALVI / OSSO VAIDOSO

Curadoria: Maus Hábitos

ANGÉLICA SALVI

A harpista espanhola Angélica Salvi, radicada no Porto desde 2011,dedica-se à improvisação e à música contemporânea e eletroacústica, explorando várias técnicas de preparação e amplificação do instrumento na busca de novos timbres e sonoridades.

 

OSSO VAIDOSO

Ana Deus e Alexandre Soares criaram os Osso vaidoso. Canções simples onde o texto marca a pulsação e as guitarras fogem ao lugar comum. Os poetas escolhidos são Alberto Pimenta, Ernesto de Melo e Castro e Regina Guimarães entre outros.

SÁB 05 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS SITUADAS
IGUALDADE(S) & LIBERDADE(S)

Gaspar Martins Pereira

Cecília Meireles

Mod. Paula Ribeiro de Faria

Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto

Conversas Situadas é um dos mais importantes segmentos do extenso programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto, inaugurado em fevereiro do corrente ano sob a égide da Câmara Municipal do Porto e abruptamente interrompido pela eclosão da pandemia de COVID’19. Coordenado cientificamente por Pedro Baptista, inesperadamente falecido na altura em que o programa arrancava, integra um amplo conjunto de iniciativas entre as quais desponta, pela vibrante dialética temática, um conjunto de cinco conversas que põem face-a-face figuras incontornáveis do espectro político português moderadas por deputados da Assembleia Municipal do Porto oriundos de diferentes quadrantes políticos.

SÁB 05 SET, 21H30
LAGO DOS CAVALINHOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO

CORETO PORTA-JAZZ — ANALOG

João Pedro Brandão – saxofone alto, flauta

José Pedro Coelho – saxofone tenor

Hugo Ciríaco – saxofone tenor

Rui Teixeira – saxofone barítono

Ricardo Formoso – trompete

Susana Santos Silva – trompete

Andreia Santos – trombone

Daniel Dias – trombone

AP – guitarra

Hugo Raro – piano

José Carlos Barbosa – contrabaixo

José Marrucho – bateria

Curadoria: Associação Porta-Jazz


Em Analog, o 4º disco do CORETO, a musica é inteiramente composta por João Pedro Brandão que desta vez se dedica à exploração de um imaginário sugerido pelo mundo analógico, transpondo os seus"ruídos" para a instrumentação deste ensemble de 12 músicos- Ecos, ressonâncias, um curto circuito, as interferências ou o atraso numa comunicação telefónica por fio, uma mensagem em código morse, a procura de uma estação de Rádio, são o mote para a composição escrita que abre espaço para  momentos improvisados, de composição colectiva e solísticos de cada um dos elementos do grupo.

 

O CORETO é formado por 12 músicos ligados à cidade do Porto, cujas actividades individuais são reconhecidas na cena jazzística nacional e internacional e que é reconhecido como um dos mais importantes grupos de Jazz em Portugal.

06 SET
DOM 06 SET, 11H / 15H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINA ITINERANTE
BICHO DA LETRA

Burilar

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação Limitada a cada sessão e implica Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Uma oficina que parte, em jeito de homenagem, do universo dos bichos das histórias de Sepúlveda e também do universo animal presente nos Jardins do Palácio de Cristal; uma oficina que todas as semanas monta e desmonta esqueletos, anatomias, de coisas chamadas bichos letras ou letras bichos. Cada visitante poderá fazer o seu bicho letra e optar por deixá-lo ou levá-lo consigo para viver noutros habitats.

DOM 06 SET, 11H
JARDIM DA PENA
INFANTOJUVENIL

PORTO LITERÁRIO TROCADO POR MIÚDOS

Visita performativa

Inscrições e mais informação em geral@bairrodoslivros.com

Lotação: 30 pessoas

Proposta de visitação de uma  zona da cidade a partir da Literatura, nomeadamente, a partir de um conjunto de livros infantojuvenis de autores ligados ao Porto. A tour acontece com recurso a audioguias para o acompanhamento da viagem através de excertos da obra e do trabalho performativo de uma equipa de atores que animam o percurso e introduzem jogos.

DOM 06 SET, HORÁRIO FL
TERREIRO DA BIBLIOTECA
FEIRA DA ALEGRIA

A FEIRA DO LIVRO CONVIDA A FEIRA DA ALEGRIA

Atelier Caldeiras; Atelier Guilhotina/Ana Torrie; Bárbara R.; Bazar Esquisito; Bazar Galiza; Carolina Celas; Carolina Garfo; Ceci de F; Cynthia Alfonso; Edições Amateur; Favela Discos; Filipe Felizardo; FOJO + Mariana Caló eFrancisco Queimadela; Gabinete Paratextual; Gonçalo Duarte; Homem do Saco; Imprensa Canalha; Joana Estrela; Joana Lourencinho Carneiro; Joaquim Pires; Lavandaria; Lovers & Lollypops; Mariana Malhão; Mariana, a Miserável; Marvellous Tone; Nada Pouco Quase Muito; O Gorila; ÓcioOficina Arara; Oficina Atalaia; Oficina do Cego; Oscar Ranha; Paperplanes; Revista Prego; Rubber Mirror; S.I.R.O.C.O; Sismógrafo, Stolen Books; Uma Joana

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

A Feira do Livro convida a Feira da Alegria — mercado de edição, transumância gráfica e escatologia comercial — reúne, desde 2015, estruturas e formas de sobrevivência criativas,genericamente categorizadas como alternativas ou independentes, que persistem como movimentos individualizados, difusos e dispersos. Esta agremiação contempla colectivos de serigrafia, gravura, tipografia,ilustradores, editores, artistas, e distingue-se por privilegiar fenómenos de comunicação lenta, opaca e texturada numa combinação heurística entre artes visuais, som e literatura. Se no frontispício alegórico da História da Impressão de Prosper Marchand (1740) a impressão descendia dos céus para os grandes mestres, na suspensão pandémica ela emerge de esforços improváveis de subsistência artística envoltos num pequeno inferno de invisibilidade. A oportunidade de expore integrar numa Feira do Livro estes micro universos onde o tempo da publicação se define pelo acidente e pela ocasião é um desafio criativo tanto para quem publica, como para quem lê e vê. A amálgama gráfica promete ser expressiva e — à imagem de Francis Bacon — para todos os palatos,onde “alguns livros são para ser saboreados, outros para ser engolidos e alguns para ser mastigados e digeridos”.

      O núcleo de programação do Museu da Cidade convida a artista Mariana Malhão, (1994, Coimbra) a criar um elenco de personagens efémeras que dá corpo à diversidade de experiências no palco da Concha Acústica.

      Mariana Malhão, publicou o seu primeiro álbum ilustrado em 2018, intitulado Uma Rosa na Tromba de um Elefante com a editora Orfeu Negro. Cofundadora da galeria Senhora Presidenta, trabalhou com o coletivo Oficina Arara,após completar a sua formação em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes do Porto.

DOM 06 SET, 12H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
LIÇÕES
A MULHER DO MÉDICO (ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA)

por Ana Paula Arnaut

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Construída na linha das grandes mulheres da  ficção saramaguiana, é a mulher do médico quem, em Ensaio sobre a Cegueira (1995), mantém a capacidade de olhar e de ver, de sentir e de compreender os outros, nunca perdendo a humanidade, mesmo quando vê que, “sem protesto”, a rapariga dos óculos escuros recebe o médico no seu “catre estreito”, mesmo quando mata o chefe da camarata dos malvados. À personagem, que reaparecerá em Ensaio sobre a Lucidez (2004), cumpre, ainda, ajudar a entender a condição humana, os insondáveis universos da relação homem-mulher e as não menos insondáveis redes de desprezo que ensombram as metrópoles do mundo, delas fazendo um caos com uma ordem por decifrar.

DOM 06 SET, 14H30—16H30 / 17H30—19H30
LAGO DOS CAVALINHOS
INFANTOJUVENIL

MINI PORTOBELO

Um mercadinho feito de crianças e para crianças, em que os mais pequenos vendem os seus livros já lidos e brinquedos usados a preços simbólicos. Na 61ª edição do Mini Portobelo haverá muita alegria no reencontro de todos.

O Mini Portobelo tem em consideração o espírito do Mercado Portobelo habitual, o da venda dos mais diversos produtos para todos os gostos, idades e interesses. No entanto, como é dirigido a crianças, tem uma vertente mais lúdica, criativa e espontânea. Pretende-se que sejam as crianças as protagonistas deste evento, que devem começar por definir como querem participar.

DOM 06 SET, 17H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA FAMÍLIAS
OS GRANDES NÃO TÊM GRANDES IDEIAS

Associação Fértil Cultural

Teatro de marionetas e formas animadas

Constança viaja com Ninguém, um amigo de infância, para Lado Nenhum. Transporta consigo um monte de preocupações, experiências vividas e aprendidas fechadas em malas e caixas. Gosta de palavras novas, do seu significado e da sua utilidade ou inutilidade. As dúvidas que pairam nas cabeças destes amigos são as mesmas de algumas crianças e alguns adultos: o planeta, a escola, as regras, governo e governar e porquê trabalhar?

DOM 06 SET, 17H
LAGO DOS CAVALINHOS
ESPETÁCULOS

ARIANA SILVA / MAFALDA GONÇALVES / PEDRO MATIAS

Companhia Erva Daninha

Propostas de circo contemporâneo de vários artistas e diferentes áreas organizadas pela Erva Daninha. Discursos virtuosistas através do corpo e da sua relação com o espaço e os objetos. Olhares distintos sobre a mulher, o homem, as suas relações, tensões, rituais e riscos.

DOM 06 SET, 19H
AUDITÓRIO DO SUPER BOCK ARENA — PAVILHÃO ROSA MOTA
DEBATES

TATIANA SALEM LEVY

RUI CARDOSO MARTINS

Mod. Ana Daniela Soares

Programação: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Alegria para o fim do mundo é o mote da Feira do Livro do Porto deste ano, a partir de um verso da poeta Andreia C. Faria. Nos debates previstos — que incluem desde nomes consagrados da literatura e do pensamento em língua portuguesa, a jovens revelações — pretendemos refletir sobre o papel da palavra na reiniciação e reinvenção do mundo: pode o verbo, como assegura a Bíblia, fabricar uma nova realidade? Pode a literatura preparar-nos para a incerteza dos dias futuros? David Machado conversará com Patrícia Reis sobre os mais belos fins do mundo da história da literatura; João Tordo irá sentar-se ao lado da jovem romancista angolana Yara Monteiro para discutir questões de identidade e de lugar de origem na ficção contemporânea; a romancista brasileira Tatiana Salém Levy falará com Rui Cardoso Martins sobre violência e redenção; Clara Ferreira Alves e Sobrinho Simões tentarão espreitar para além da bruma dos dias que correm, e perceber o que mudou para sempre e o que deveria mudar; Richard Zimler e Joana Bértholo falarão sobre o futuro do futuro: como escrever distopias num tempo distópico? 

O abismo olha para nós. Mas nós trazemos livros e a alegria da palavra criadora.  

Vamos recomeçar o mundo. 

DOM 06 SET, 19H
LAGO
ESPETÁCULOS

ArQuéTipo

Radar 360º

ArQuéTipo é uma performance escrita para o espaço público que convida o espectador a refletir sobre o tema do“Amor” na sociedade contemporânea. A linguagem artística do projeto situa-se entre a dança e a acrobacia. A peça transporta para o gesto dramático e para as paisagens urbanas, imagens primordiais, símbolos que nos acompanham desde a nossa mais remota existência e que continuam a povoar, até aos dias de hoje, o nosso inconsciente coletivo.

DOM 06 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

MEERA / WHITE HAUS

Curadoria: Maus Hábitos

MEERA

O Verão é a estação dos MEERA. Jonny Abbey (guitarra), Cecília Costa(voz e bateria) e Leonardo “Goldmatique” Pinto (teclados) formam o trio que deuvida aos singles 'Little of Your Time', 'Fine Without You', 'Think Straight' e,recentemente, Bring it Up’, revelando uma eletrónica tão apaixonada pelos anos80 como excitada pelo presente.


WHITE HAUS

White Haus é oprojecto a solo de João Vieira (DJ Kitten/X-wife). 

Disco not Disco, oElectro-Pop em versão Dub, o Tecno de Detroit, o acid House dos primeiros anosde Chicago, o Prince e a geração dourada do R&B de Minneapolis e todo opós-Punk convivem num caldeirão fervilhante.

DOM 06 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CICLO LYNN HERSHMAN LEESON
STRANGE CULTURE

EUA, 2007, 83’

Curadoria: Guilherme Blanc (Diretor de Arte Contemporânea e Cinema, Ágora E.M.)

No contexto traumáticodo “pós 11 de setembro”, o líder de um coletivo artístico é investigado pelo FBI, acusado de bioterrorismo e proibido de falar sobre o caso – esta é a história insólita, mas verídica, de Strange Culture, uma obra híbrida que junta imagens de arquivo, entrevistas, banda desenhada e reenactments com Tilda Swinton e Thomas Jay Ryan. O resultado é um filme emocionante e formalmente aliciante, que retrata como a paranoia do governo é usada para estrangular a liberdade artística.


Apresentado por: Joaquim Moreno (Arquiteto / Curador)


TECHNOCISTEM, CORPO E TECNOLOGIA NA OBRA FEMINISTA DE LYNN HERSHMAN

Foi ‘descoberta’ enquanto artista aos 72 anos, disse-o numa entrevista recente à revista Frieze. Hoje uma figura fundamental na arte contemporânea, a artista Lynn Hershman Leeson viu-se apagada ao longo do tempo por lógicas impostas ao sistema da arte e do cinema, nomeadamente discursivas e de género.Vinculou-se, desde finais dos anos 70 (encarnando no dia-a-dia a personagem ‘Roberta Breitmore’), a preocupações no âmbito das políticas do corpo e da condição da mulher,relacionando-as de forma inventiva com ideias de tecnologia,comunicação e virtualidade. No cinema, filmou um dos mais influentes documentos sobre feminismo, tratou assuntos científicos com preocupações plásticas incomuns, pensou teorias de ligação entre corpos e máquinas, estabeleceu com Tilda Swinton a sua mais prolífica parceria.

      Bizarros, humorísticos e criticamente envolventes, os seus filmes surgem hoje com pungência, denunciando um a influência inequívoca na linguagem de novos artistas que tratam problemáticas digitais e de identidade; nem sempre compreendidos ou apreciados, traduzem-se atualmente em obras de grande iconoclastia visual, mas também crítica.

      Em cinco sessões, propomos mostrar a forma como– através da ficção, da linguagem documental e do ensaio – a obra da artista antecipou visualidades e conceitos que marcam práticas artísticas atuais, testando limites e relações entre o cinema e o ‘filme de artista’, explorando problemáticas culturais que hoje são incontornáveis.

dia

SEG 07 SET, 18H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CURSO BREVE

RUBEN A., UM CLÁSSICO ABSOLUTAMENTE MODERNO

por Dália Dias

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Ruben A.propõe-se uma abordagem à vida e à escrita do autor partindo da sua obra autobiográfica, O Mundo à minha Procura e Páginas, analisando-se a forte relação que estabelece com as artes plásticas, outros autores e outras escritas. A orientação das sessões refletirá um permanente convite à leitura ativa e à interpretação aberta dos textos abordados.


Próxima sessão QUI 10 SET, 18H

08 SET
TER 08 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
ILUSTRAÇÃO

por Bárbara Rocha

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Os participantes são convidados a experimentar diferentes materiais e modos de ilustrar através de técnicas como desenho, colagem, decalque que resultarão em experiências únicas.

TER 08 SET, 18H30
CONCHA ACÚSTICA
PALAVRA SOPRADA

ECOS DA BIBLIOTECA SONORA

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

Tomando de empréstimo um verso de Leonor de Almeida "SABER-TE RAINHA DAS ÁRVORES DA NOITE", a poeta homenageada na edição deste ano, o programa Ecos da Biblioteca Sonora revela pela primeira vez em espaço público o maravilhoso trabalho invisível realizado por um conjunto de pessoas cuja missão é tornar a leitura possível para aqueles dentre nós que não têm ou perderam a faculdade da visão. Situada desde o princípio dos anos 1970 na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a Sonora tornou-se, em 2019, uma das estações do Museu da Cidade e não só prosseguirá a sua vocação primeira como verá ampliada a sua tarefa de propagação sónica à escala da cidade. Na Concha Acústica reunir-se-ão um conjunto de leitores para dizer, em polifonia de vozes, os textos escolhidos por Ilda David e pelo Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito das exposições Por trás das árvores há um outro mundo e Livros são Árvores, Bibliotecas São Florestas, patentes até outubro, respectivamente, no Gabinete de Desenho, na Casa Guerra Junqueiro, e no Gabinete do Som, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, em São Lázaro.


Leitura de Ana Saldanha, Isabel Perry, José Carlos Azevedo, José Pedro Baranita, Cecilia Monção, Conceição Sousa, Joana Barbedo, Maria João Cunha Coutinho, Mónica Macedo Pinto, Paula Abrunhosa, Rosário Sottomayor, Rui Salgado Carreira, Sara Silva, Sónia Coimbra e Vanda Pinto. 


Encenação Colectivo Espaço Invisível

TER 08 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CICLO LYNN HERSHMAN LEESON
TEKNOLUST

Alemanha/EUA/Reino Unido,2002, 85’

Curadoria: Guilherme Blanc (Diretor de Arte Contemporânea e Cinema, Ágora E.M.)

A partir do seu ADN, Rosetta Stone criou três autómatas inteligentes e imortais que dependem da administração de cromossoma Y, obtido através de esperma. Na triangulação entre sexo, amor e tecnologia, esta comédia bizarra, que conta com uma memorável interpretação de Tilda Swinton, reflete sobre importantes questões, amalgamando exercícios de grande rigor visual com momentos de interpretação desconjuntados. Uma obra inusitada, que aborda a condição da mulher e desafia as convenções temáticas da ficção científica.


Apresentado por: Mara Andrade (Bailarina / Coreógrafa)


TECHNOCISTEM, CORPO E TECNOLOGIA NA OBRA FEMINISTA DE LYNN HERSHMAN

Foi ‘descoberta’ enquanto artista aos 72 anos, disse-o numa entrevista recente à revista Frieze. Hoje uma figura fundamental na arte contemporânea, a artista Lynn Hershman Leeson viu-se apagada ao longo do tempo por lógicas impostas ao sistema da arte e do cinema, nomeadamente discursivas e de género.Vinculou-se, desde finais dos anos 70 (encarnando no dia-a-dia a personagem ‘Roberta Breitmore’), a preocupações no âmbito das políticas do corpo e da condição da mulher,relacionando-as de forma inventiva com ideias de tecnologia,comunicação e virtualidade. No cinema, filmou um dos mais influentes documentos sobre feminismo, tratou assuntos científicos com preocupações plásticas incomuns, pensou teorias de ligação entre corpos e máquinas, estabeleceu com Tilda Swinton a sua mais prolífica parceria.

      Bizarros, humorísticos e criticamente envolventes, os seus filmes surgem hoje com pungência, denunciando um a influência inequívoca na linguagem de novos artistas que tratam problemáticas digitais e de identidade; nem sempre compreendidos ou apreciados, traduzem-se atualmente em obras de grande iconoclastia visual, mas também crítica.

      Em cinco sessões, propomos mostrar a forma como– através da ficção, da linguagem documental e do ensaio – a obra da artista antecipou visualidades e conceitos que marcam práticas artísticas atuais, testando limites e relações entre o cinema e o ‘filme de artista’, explorando problemáticas culturais que hoje são incontornáveis.

09 SET
QUA 09 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
BRINQUEDOS

por Simão Bolivar

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Esta oficina pretende desenvolver a criatividade na arte de brincar, mostrando exemplos de como é possível recriar objetos dando-lhes novas funções, assim como sensibilizar o público para as questões ambientais, designadamente a importância da separação dos resíduos.

QUA 09 SET, 18H30
CONCHA ACÚSTICA
PALAVRA SOPRADA

ECOS DA BIBLIOTECA SONORA

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

Tomando de empréstimo um verso de Leonor de Almeida "SABER-TE RAINHA DAS ÁRVORES DA NOITE", a poeta homenageada na edição deste ano, o programa Ecos da Biblioteca Sonora revela pela primeira vez em espaço público o maravilhoso trabalho invisível realizado por um conjunto de pessoas cuja missão é tornar a leitura possível para aqueles dentre nós que não têm ou perderam a faculdade da visão. Situada desde o princípio dos anos 1970 na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a Sonora tornou-se, em 2019, uma das estações do Museu da Cidade e não só prosseguirá a sua vocação primeira como verá ampliada a sua tarefa de propagação sónica à escala da cidade. Na Concha Acústica reunir-se-ão um conjunto de leitores para dizer, em polifonia de vozes, os textos escolhidos por Ilda David e pelo Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito das exposições Por trás das árvores há um outro mundo e Livros são Árvores, Bibliotecas São Florestas, patentes até outubro, respectivamente, no Gabinete de Desenho, na Casa Guerra Junqueiro, e no Gabinete do Som, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, em São Lázaro.


Leitura de Ana Saldanha, Isabel Perry, José Carlos Azevedo, José Pedro Baranita, Cecilia Monção, Conceição Sousa, Joana Barbedo, Maria João Cunha Coutinho, Mónica Macedo Pinto, Paula Abrunhosa, Rosário Sottomayor, Rui Salgado Carreira, Sara Silva, Sónia Coimbra e Vanda Pinto. 


Encenação Colectivo Espaço InvisívelVanda Pinto.

QUA 09 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

FUGLY / SUNFLOWERS

Curadoria: Maus Hábitos

FUGLY

Passaram dois anos desde Millennial Shit, o primeiroálbum dos Portuenses FUGLY. Depois de um porradão de concertos na bagagem, uma tour europeia e passagens por festivais como Vodafone Paredes de Coura, SuperBock Super Rock e Circuito Super Nova, o grupo composto por Pedro Jimmy Feio,Rafael Silver, Nuno Loureiro e Ricardo Brito, apresenta um novo Single, “SpaceMigrant”.

 

SUNFLOWERS

Urdindo do Porto, os Sunflowers são como um ataque sónico surpresa no panorama musical português. Édifícil apanhá-los parados e ainda mais difícil fazê-los baixar o volume dos amplificadores. Ao vivo mostram-se intensos e imprevisíveis, como se quer qualquer triângulo de bateria, baixo e guitarra.

10 SET
TER 10 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
ILUSTRAÇÃO

por Bárbara Rocha

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação Limitada a cada sessão e implica Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Os participantes são convidados a experimentar diferentes materiais e modos de ilustrar através de técnicas como desenho, colagem, decalque que resultarão em experiências únicas.

QUI 10 SET, 18H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CURSO BREVE

RUBEN A., UM CLÁSSICO ABSOLUTAMENTE MODERNO

por Dália Dias

Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Ruben A.propõe-se uma abordagem à vida e à escrita do autor partindo da sua obra autobiográfica, O Mundo à minha Procura e Páginas, analisando-se a forte relação que estabelece com as artes plásticas, outros autores e outras escritas. A orientação das sessões refletirá um permanente convite à leitura ativa e à interpretação aberta dos textos abordados.

QUI 10 SET, 18H30
CONCHA ACÚSTICA
PALAVRA SOPRADA

ECOS DA BIBLIOTECA SONORA

Núcleo de Programação do Museu da Cidade

Tomando de empréstimo um verso de Leonor de Almeida "SABER-TE RAINHA DAS ÁRVORES DA NOITE", a poeta homenageada na edição deste ano, o programa Ecos da Biblioteca Sonora revela pela primeira vez em espaço público o maravilhoso trabalho invisível realizado por um conjunto de pessoas cuja missão é tornar a leitura possível para aqueles dentre nós que não têm ou perderam a faculdade da visão. Situada desde o princípio dos anos 1970 na Biblioteca Pública Municipal do Porto, a Sonora tornou-se, em 2019, uma das estações do Museu da Cidade e não só prosseguirá a sua vocação primeira como verá ampliada a sua tarefa de propagação sónica à escala da cidade. Na Concha Acústica reunir-se-ão um conjunto de leitores para dizer, em polifonia de vozes, os textos escolhidos por Ilda David e pelo Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito das exposições Por trás das árvores há um outro mundo e Livros são Árvores, Bibliotecas São Florestas, patentes até outubro, respectivamente, no Gabinete de Desenho, na Casa Guerra Junqueiro, e no Gabinete do Som, na Biblioteca Pública Municipal do Porto, em São Lázaro.


Leitura de Ana Saldanha, Isabel Perry, José Carlos Azevedo, José Pedro Baranita, Cecilia Monção, Conceição Sousa, Joana Barbedo, Maria João Cunha Coutinho, Mónica Macedo Pinto, Paula Abrunhosa, Rosário Sottomayor, Rui Salgado Carreira, Sara Silva, Sónia Coimbra e Vanda Pinto. 


Encenação Colectivo Espaço Invisível

QUI 10 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

NOOITO / GUSTAVO COSTA

Curadoria: Maus Hábitos

NOOITO

Projeto de música criado e realizado por Angélica Salvi (harpa) e Ece Canlı (voz). Ao longo das várias formas de expressão sónica e fónica, narra e evoca as experiências de metamorfose corporal e mental dos corpos, especialmente daqueles que estão entre eles.

 

GUSTAVO COSTA

Nasceu no Porto em 1976. Estudou percussão, tecnologias da música, sonologia, composição e teoria musical, concluindo o doutoramento em Media Digitais na Universidade do Porto. Membro fundador da Sonoscopia Associação, o seu trabalho como músico e compositor incide na contracultura underground, na música improvisada e electroacústica.

QUI 10 SET, 22H
AUDITÓRIO DO SUPER BOCK ARENA — PAVILHÃO ROSA MOTA
QUINTAS DE LEITURA
SENHOR, ENCHE O MEU QUARTO DE ALTO MAR

com poemas de Florbela Espanca, Leonor de Almeida, Natércia Freire, Sophia de Mello BreynerAndresen, Natália Correia, Ana Hatherly, Maria Teresa Horta, Fiama Hasse Pais Brandão, LuizaNeto Jorge, Inês Lourenço, Rosa Alice Branco, Ana Luísa Amaral, Regina Guimarães, RosaOliveira, Maria do Rosário Pedreira, Adília Lopes, Ana Marques Gastão, Ana Paula Inácio,Bénédicte Houart, Rosalina Marshall, Inês Dias, Golgona Anghel, Filipa Leal, Inês FonsecaSantos, Raquel Nobre Guerra, Cláudia R. Sampaio, Catarina Nunes de Almeida, MatildeCampilho, Andreia C. Faria, Francisca Camelo e Maria de Sousa.

Programador: João Gesta

Um verso de Filipa Leal dá título a esta sessão fora de portas do ciclo Quintas de Leitura, que reúne a voz de trinta poetas, trinta mulheres intensas,relampejantes e insubmissas. Vozes certeiras, cravadas na correnteza indomável da Vida. Projetamos, neste espetáculo, um percurso poético de quase cem anos, que se estende de Florbela Espanca (1894) até Francisca Camelo (1990). Um caminho de afirmação no feminino da nossa mais verdadeira e profunda via de conhecimento – a Poesia.Uma das vozes escolhidas é justamente a de Leonor de Almeida,a poeta homenageada nesta edição da Feira do Livro do Porto. A cálida expressão de uma visão pan-erótica do universo, no dizer de Natália Correia.Prometemos para esta sessão uma festa da poesia, febril e contundente, com a cumplicidade de muitos artistas, argonautas maiores, na busca incessante dos valores que nos continuam a emocionar: a Liberdade,o Amor, o Conhecimento.“É preciso soltar o ritmo das marés” (Natércia Freire)O brilho, a beleza e a profundidade no gesto artístico dos seguintes convidados:


Hugo van der Ding /intróito

Cristiana Sabino, Filipa Leal, Francisca Camelo e Paula Cortes /leituras

Mariana, a Miserável /imagem

Natasha Semmynova /drag performer & singer

A Garota Não (Cátia Mazari Oliveira/voz e Sérgio Miendes/guitarra/Inês Homem de Melo (voz),Filipe Teixeira (contrabaixo) e Arnaldo Fonseca (acordeão)/Lanina Khmelik (violino) /música


Catarina Mesquita /produtora executiva, Luísa Osório /assistente de coordenação técnica, Adriana Brandão /direção de cena, Manuel Alão/ técnico de luz, Luís Carlos Pereira / técnico de som, Valter Hugo Moutinho / técnico de audiovisual, Jorge Soares / técnico de manutenção (palco), Nuno Brandão / técnico de maquinaria

11 SET
SEX 11 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINAS
BRINQUEDOS

por Simão Bolivar

Oficina itinerante

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Esta oficina pretende desenvolver a criatividade na arte de brincar, mostrando exemplos de como é possível recriar objetos dando-lhes novas funções, assim como sensibilizar o público para as questões ambientais, designadamente a importância da separação dos resíduos.

SEX 11 SET, 19H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
POETAS RESIDENTES

INÊS LOURENÇO

ANDREIA C. FARIA

Mod. Catarina Santiago Costa

A edição de 2020 da Feira do Livro do Porto acolhe duas lucipotentes poetas residentes: Inês Lourenço e Andreia C. Faria. Ambas nascidas no Porto, respetivamente em 1942 e 1984, as poetas residentes deste ano são, afirme-se com veemência, nomes inevitáveis no universo literário português.

Sobre Inês Lourenço pode ler-se na contracapa de uma das suas mais recentes publicações (Últimas Regras/ Companhia das Ilhas, 2019): “É seu um lugar imprevisto na poesia portuguesa, onde se cruzam virtuosismo verbal, ironia, quotidiano, acidez e iconoclastia, mas também um tom reflexivo e uma prolongada e candente meditação de teor existencial”. Para Inês Lourenço, acrescente-se, Um poema / é sempre uma pergunta / sem resposta.

      A propósito da obra de Andreia C. Faria, na badana da sua mais recente e premonitória obra Alegria para o fim do mundo (Porto Editora, coleção elogio da sombra, 2019), escreve o poeta e editor da referida coleção Valter Hugo Mãe: “O trabalho de Andreia C. Faria está entre os mais urgentes, magníficos, da poesia contemporânea. A sua profundidade, uma contenção que não a impede da frontalidade, o enunciado terrivelmente irónico, o rasgo inesperado de cada verso, fazem do seu texto uma novidade por classificar, demarcando-a inclusive do coletivo de mulheres poetas que hoje escrevem também em força e bastante esplendor”.

       Acicatadas pela também poeta Catarina Santiago Costa, Inês Lourenço e Andreia C. Faria falarão sobre o seu processo criativo enquanto poetas residentes e resistentes, tendo como mote sempre presente este Porto granítico, que vê primeiro e vê mais longe.


João Gesta

SEX 11 SET, 17H30
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONTOS À SEXTA
A VIAGEM DO SENHOR GATO GATARRÃO E DA TARTARUGA LENTIDÃO

por Inácia Cruz

Sessão de contos dirigida aos mais pequenos por intermédio da qual se procura levá-los ao mundo mágico de amizade e da solidariedade. A odisseia de um gato por terras nunca pisadas onde encontrará companheiros fiéis e inimigos de perna de pau. Uma história com final feliz onde o mais importante dos tesouros não é riqueza material, mas sim os valores de Amizade, a solidariedade e espírito de grupo.

SEX 11 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

JORGE COELHO / PEIXE

Curadoria: Maus Hábitos

Pedro Cardoso (Peixe) estudou guitarra clássica e foi guitarrista da banda Ornatos Violeta, hoje considerada uma das mais importantes bandas portuguesas de sempre

Em 2012 editou Apneia, o seu primeiro álbum a solo.

Motor é o seu segundo registo a solo, foi editado a 9 de Março de 2015.

SEX 11 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS SITUADAS
MULHER & HOMEM

Francisco Assis

Helena Matos

Mod. José Manuel Machado de Castro

Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto

Conversas Situadas é um dos mais importantes segmentos do extenso programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto, inaugurado em fevereiro do corrente ano sob a égide da Câmara Municipal do Porto e abruptamente interrompido pela eclosão da pandemia de COVID’19. Coordenado cientificamente por Pedro Baptista, inesperadamente falecido na altura em que o programa arrancava, integra um amplo conjunto de iniciativas entre as quais desponta, pela vibrante dialética temática, um conjunto de cinco conversas que põem face-a-face figuras incontornáveis do espectro político português moderadas por deputados da Assembleia Municipal do Porto oriundos de diferentes quadrantes políticos.

SEX 11 SET, 21H30
LAGO DOS CAVALINHOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO

HUGO RARO — CONNECTING THE DOTS

João Mortágua – sax alto

Hugo Raro – piano e composição

José Carlos Barbosa – contrabaixo

Marcos Cavaleiro – bateria

Curadoria: Associação Porta-Jazz

 

Num tempo de dormência, de servidão voluntária, de alienação, de consumo rápido e superficial, propomos uma viagem entre memórias e o que há de vir, entre fantasias e realidade,  entre a ilusão de passeios por florestas e castelos e o conforto do cheiro a terra molhada, entre a vontade continuada de nos superarmos e o saber apreciar e valorizar o que foi conseguido. Esperamos que a viagem possa ser de repouso, de contemplação, de descoberta, chegando a diferentes destinos e conclusões, e encontrando infinitas sensações.

12 SET
SÁB 12 SET, 11H / 15H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINA ITINERANTE
BICHO DA LETRA

Burilar

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação Limitada a cada sessão e implica Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Uma oficina que parte, em jeito de homenagem, do universo dos bichos das histórias de Sepúlveda e também do universo animal presente nos Jardins do Palácio de Cristal; uma oficina que todas as semanas monta e desmonta esqueletos, anatomias, de coisas chamadas bichos letras ou letras bichos. Cada visitante poderá fazer o seu bicho letra e optar por deixá-lo ou levá-lo consigo para viver noutros habitats.

SÁB 12 SET, 11H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA BEBÉS

ESTAÇÃO DAS LETRAS

Espetáculo para bebés

Dirigida a famílias com bebés entre  os 18 e os 36 meses (acompanhadas  por 1 adulto) Inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Branco é um espetáculo de cor e de luz. Quantas cores brincam no branco? Num mundo branco calmo e sereno vivem as cores do arco-íris. Todos os dias acordam bem cedo e na luz branca do branco mostram o esplendor da sua cor. Um pássaro azul, uma mão amiga um chapéu para dar...

SÁB 12 SET, 12H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
LIÇÕES
A MENINA DO MAR E A FADA ORIANA

por Matilde Campilho

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

As grandes lições não são gritadas de palanques e nem costumam vir nos jornais. São, isso sim, segredadas ao ouvido. As melhores lições, as mais simples, vêm nas histórias. São muitas vezes contadas em surdina, noite dentro, a nós mesmos ou a quem quer que decida sentar-se ao nosso lado. Uma história, mesmo que aparente ser estanque, nunca fica quieta. Sophia de Mello Breyner escreveu algumas dessa estirpe - de cada vez que alguém tira A Menina do Mar da estante, ou a Fada Oriana, entra num território onde o espanto se renova sempre. Com sorte, também a esperança se reabre. É que nas histórias de Sophia, o mundo nunca acaba. E está pleno de alegria.

SÁB 12 SET, 15H
CONCHA ACÚSTICA
CONCERTOS

VAMOS IMAGINAR UM BAIRRO DE LUZ

Isabel Barros – Direção e Coordenação artística

Jorge Queijo – Direção musical

Um concerto que resulta da residência artística realizada no Bairro do Cerco, através de um projeto apoiado pela Câmara do Porto. Serão apresentados seis temas criados em conjunto pelos cerca de 40 participantes, com idades entre os 8 e os 17 anos, que se juntarão em palco. O concerto terá ainda como convidados os Oupa Cerco, que em 2020 celebram o seu quinto aniversário.

SÁB 12 SET, 16H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
EDIÇÕES

INFERNO / ANTOLOGIA DIALOGANTE DE POESIA PORTUGUESA

Pedro Eiras

Rosa Maria Martelo

Inferno

de Pedro Eiras

Edição: Assírio & Alvim

Antologia Dialogante da Poesia 

Escolha e apresentação de Rosa Maria Martelo

Edição: Assírio & Alvim

Uma das faculdades do poeta é de auscultar as vozes do passado e dialogar com elas. Tal é o mote para esta conversa.Esta é uma sessão que cruza muitos diálogos. O primeiro acontece fisicamente, no espaço do auditório, e junta dois poetas e exegetas, Pedro Eiras e Rosa Maria Martelo. Os dois falarão de diálogos entre poetas de tempos diferentes: o diálogo de Pedro Eiras com Dante Alighieri no seu mais recente e luminoso livro, Inferno, e as conversas remotas, propiciadas por Rosa Maria Martelo na sua Antologia dialogante de poesia portuguesa, em que a autora inventa novas geometrias para o encontro da palavra poética.

SÁB 12 SET, 16H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
À VOLTA DOS LIVROS
MÁSCARAS GIGANTONES

com Sandra Sofia Santos

Conversa com autor e ilustrador 

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Elementos da cultura tradicional portuguesa (gigantones e cabeçudos, caretos e figurado de Barcelos) vão servir de inspiração para desenvolver máscaras de forma criativa e simples explorando a expressividade de cada um. Vamos criar personagens estrambólicas e celebrar a imaginação!

SÁB 12 SET, 18H
ILHA
ESPETÁCULOS

REABILITAÇÃO DO POETA DESILUDIDO

Bairro dos Livros

O espetáculo Reabilitação do poeta desiludido baseia o seu conceito numa viagem não cronológica pelos grandes artesãos da palavra do século XX em Portugal, que se inscreve na temáticada própria escrita, no papel do escritor enquanto testemunho de uma época histórica e na relação evolutiva e de oposição entre os vários movimentos artísticos. Esta experiência poética imersiva, pretende associar o espetáculo a quatro exercícios práticos assentes em conceitos inerentes ao poético:


VERDADEIRO E FALSO

Real e Ficção


PALAVRA PROIBIDA

Sinonímia


CONVERSA DE CAFÉ

Intertextualidade


TENTATIVA E ERRO

Materialidade

SÁB 12 SET, 18H
GALERIA MUNICIPAL
EXPOSIÇÕES

PRÉMIO PAULO CUNHA E SILVA / WAVES AND WHIRLPOOLS — LUIS LÁZARO MATOS

SÁB 12 SET, 19H
AUDITÓRIO DO SUPER BOCK ARENA — PAVILHÃO ROSA MOTA
DEBATES

CLARA FERREIRA ALVES

SOBRINHO SIMÕES

Mod. Ricardo Alexandre

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Alegria para o fim do mundo é o mote da Feira do Livro do Porto deste ano, a partir de um verso da poeta Andreia C. Faria. Nos debates previstos — que incluem desde nomes consagrados da literatura e do pensamento em língua portuguesa, a jovens revelações — pretendemos refletir sobre o papel da palavra na reiniciação e reinvenção do mundo: pode o verbo, como assegura a Bíblia, fabricar uma nova realidade? Pode a literatura preparar-nos para a incerteza dos dias futuros? David Machado conversará com Patrícia Reis sobre os mais belos fins do mundo da história da literatura; João Tordo irá sentar-se ao lado da jovem romancista angolana Yara Monteiro para discutir questões de identidade e de lugar de origem na ficção contemporânea; a romancista brasileira Tatiana Salém Levy falará com Rui Cardoso Martins sobre violência e redenção; Clara Ferreira Alves e Sobrinho Simões tentarão espreitar para além da bruma dos dias que correm, e perceber o que mudou para sempre e o que deveria mudar; Richard Zimler e Joana Bértholo falarão sobre o futuro do futuro: como escrever distopias num tempo distópico? 

O abismo olha para nós. Mas nós trazemos livros e a alegria da palavra criadora.  

Vamos recomeçar o mundo. . 

SÁB 12 SET, 19H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTOS DE BOLSO

COELHO RADIOACTIVO / RETIMBRAR

Curadoria: Maus Hábitos

COELHO RADIOACTIVO

Não se julgue que a tenra idade não possa trazer conteúdo embriagado decoisas normalmente mais associadas à idade adulta. Talvez fosse mais expectávelse João Sarnadas se entregasse de corpo desnudo ao hedonismo do punk rock masnesse caso perde-se-ia um jovem promissor escritor de canções.


RETIMBRAR

Música deinspiração tradicional, de forte matriz rítmica, enriquecida por vozes einstrumentos acústicos, típicos de várias regiões de Portugal. Uma celebraçãocolectiva, cujo reportório é constituído por criações próprias e interpretaçõesde música popular portuguesa. Nos Retimbrar o que se faz é música para todos.

SÁB 12 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CONVERSAS SITUADAS
PODER & PODERES

Rui Moreira

Bernardino Soares

Mod. Pedro Bragade Carvalho

Núcleo de programação do Museu da Cidade no âmbito do programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto

Conversas Situadas é um dos mais importantes segmentos do extenso programa de comemorações do bicentenário da Revolução Liberal do Porto, inaugurado em fevereiro do corrente ano sob a égide da Câmara Municipal do Porto e abruptamente interrompido pela eclosão da pandemia de COVID’19. Coordenado cientificamente por Pedro Baptista, inesperadamente falecido na altura em que o programa arrancava, integra um amplo conjunto de iniciativas entre as quais desponta, pela vibrante dialética temática, um conjunto de cinco conversas que põem face-a-face figuras incontornáveis do espectro político português moderadas por deputados da Assembleia Municipal do Porto oriundos de diferentes quadrantes políticos.

SÁB 12 SET, 21H30
LAGO DOS CAVALINHOS
PORTA-JAZZ AO RELENTO

NUNO CAMPOS — TACATARINATEM

Nuno Campos – contrabaixo e composição

José Pedro Coelho – saxofone tenor

Miguel Meirinhos – piano

Ricardo Coelho – bateria

Curadoria: Associação Porta-Jazz

TaCatarinaTen é um disco repleto de emoções e experiências vividas numa década preenchida de mudanças.Fica aqui o registo com tinta musical de todos esses momentos. Este é um disco intimo, largamente pensado e trabalhado como se de filigrana se tratasse. O primeiro objetivo foi já cumprido, passar para a música as emoções vividas através da composição, improvisação e trabalho colectivo . O segundo objetivo é apenas a esperança de que o ouvinte atento entenda na música de alguma forma estas emoções sentidas na década passada. Este é o segundo disco de Nuno Campos como compositor e líder de um projeto 10 anos depois do anterior premiado disco gravado em trio pela prestigiada editora Fresh Sound New Talent em Barcelona com músicos da cena local. 

13 SET
DOM 13 SET, 11H / 15H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
OFICINA ITINERANTE
BICHO DA LETRA

Burilar

Dirigida a crianças M/6 anos (acompanhadas de 1 adulto)

Lotação limitada a cada sessão e implica inscrição prévia (bmp@cm-porto.pt)

Uma oficina que parte, em jeito de homenagem, do universo dos bichos das histórias de Sepúlveda e também do universo animal presente nos Jardins do Palácio de Cristal; uma oficina que todas as semanas monta e desmonta esqueletos, anatomias, de coisas chamadas bichos letras ou letras bichos. Cada visitante poderá fazer o seu bicho letra e optar por deixá-lo ou levá-lo consigo para viver noutros habitats.

DOM 13 SET, 11H
JARDIM DA PENA
INFANTOJUVENIL

PORTO LITERÁRIO TROCADO POR MIÚDOS

Visita performativa

Inscrições e mais informação em geral@bairrodoslivros.com

Lotação: 30 pessoas

Proposta de visitação de uma  zona da cidade a partir da Literatura, nomeadamente, a partir de um conjunto de livros infantojuvenis de autores ligados ao Porto. A tour acontece com recurso a audioguias para o acompanhamento da viagem através de excertos da obra e do trabalho performativo de uma equipa de atores que animam o percurso e introduzem jogos.

DOM 13 SET, 12H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
LIÇÕES
A GRANDE DESCONHECIDA: ANTÍGONA NA CASA DO SEU TEXTO

por Hélia Correia

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Antígona é um caso de popularidade. E, com isso, tornou-se uma aparência e foi perdendo a carne com que tinha nascido. Intensa e longamente amada, certamente a personagem feminina a quem leitores e público entregaram mais comovidamente os corações, a pequena tebana fez-se ouvir como faziam as sereias: encantando e ocultando a última verdade. Interpretada, reinterpretada, posta em jogos de espelhos e em jogos de intenção, lançada pelos séculos em mãos de dramaturgos que se serviram dela como de uma matéria moldável e bondosa, Antígona saiu da sua casa, que é o texto de Sófocles. Isto é, uma Antígona saiu. Outra lá permanece, desconhecida, obscura. Como obscura era a Grécia, apesar do seu sol. A minha Antígona é essa desconhecida.

DOM 13 SET, 16H
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
HOMENAGEM

EVOCAÇÃO DE MARIA DE SOUSA

Hélia Correia

Rui Horta

Sobrinho Simões

Maria Mota

Clara Ferreira Alves

Mod. Anabela Mota Ribeiro

“Os momentos muito importantes não se podem escoar. Tem de se pôr uma rolha no rio.Tem de se fazer parar o rio, senão aquilo vai tudo. A sensação que tenho é que escrevo,e sobretudo escrevo nalguns momentos, para procurar fazer parar o momento”, disseMaria de Sousa. A cientista viveu entre 1939 e 2020. Vamos homenagear o seu brilho epercurso e assim parar o rio, por instantes. Com Clara Ferreira Alves, que com ela privouno Prémio Pessoa e em tantas lutas, Hélia Correia, uma amizade recente e entretecidapelo fio da poesia de Hélia e de Maria, Rui Horta, que era um jovem bailarino quando viveuanos em casa da cientista, em NY, Maria Manuel Mota, cientista cuja vida foi marcada,ainda aluna, pela “Prof. Maria”, como era chamada, e Sobrinho Simões, cientista damesma geração de Maria, apesar dos alguns anos de diferença, seu contemporâneono Porto.

DOM 13 AGO, 17H
LAGO DOS CAVALINHOS
TRENGOS À SOLTA

DIDAC GILABERT / MAURÍCIO JARA / MICA PAPRIKA

Companhia Erva Daninha

Propostas de circo contemporâneo de vários artistas e diferentes áreas organizadas pela Erva Daninha. Discursos virtuosistas através do corpo e da sua relação com o espaço e os objetos. Olhares distintos sobre a mulher, o homem, as suas relações, tensões, rituais e riscos.

DOM 13 SET, 17H
SALA INFANTOJUVENIL DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
PARA FAMÍLIAS
O PÁSSARO NA CABEÇA

Teatro baseado na obra de Manuel António Pina

É um espectáculo em que o brinquedo vai servir de palco à imaginação. Conta a história do ser humano e reflecte a forma como podemos ser capazes de brincar sem vergonha, mesmo quando a sociedade nos faz acreditar que tudo tem de ser muito sério.

DOM 13 SET, 18H
TERREIRO DA CASA DO ROSEIRAL
CONCERTO DE ENCERRAMENTO

PEDRO BURMESTER E MÁRIO LAGINHA

No encerramento da Feira do Livro do Porto, os icónicos pianistas Mário Laginha e Pedro Burmester voltam a juntar-se para um concerto a quatro mãos. Uma cumplicidade que os une há mais de 20 anos. Ambos com formação musical clássica, Laginha enveredou por uma carreira próxima do jazz e Burmester seguiu um percurso orientado para a interpretação de um repertório clássico.

DOM 13 SET, 19H
AUDITÓRIO DO SUPER BOCK ARENA — PAVILHÃO ROSA MOTA
DEBATES

RICHARD ZIMLER

JOANA BÉRTHOLO

Mod. Teresa Coutinho

Programadores: Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa

Alegria para o fim do mundo é o mote da Feira do Livro do Porto deste ano, a partir de um verso da poeta Andreia C. Faria. Nos debates previstos — que incluem desde nomes consagrados da literatura e do pensamento em língua portuguesa, a jovens revelações — pretendemos refletir sobre o papel da palavra na reiniciação e reinvenção do mundo: pode o verbo, como assegura a Bíblia, fabricar uma nova realidade? Pode a literatura preparar-nos para a incerteza dos dias futuros? David Machado conversará com Patrícia Reis sobre os mais belos fins do mundo da história da literatura; João Tordo irá sentar-se ao lado da jovem romancista angolana Yara Monteiro para discutir questões de identidade e de lugar de origem na ficção contemporânea; a romancista brasileira Tatiana Salém Levy falará com Rui Cardoso Martins sobre violência e redenção; Clara Ferreira Alves e Sobrinho Simões tentarão espreitar para além da bruma dos dias que correm, e perceber o que mudou para sempre e o que deveria mudar; Richard Zimler e Joana Bértholo falarão sobre o futuro do futuro: como escrever distopias num tempo distópico? 

O abismo olha para nós. Mas nós trazemos livros e a alegria da palavra criadora.  

Vamos recomeçar o mundo. 

DOM 13 SET, 19H
LAGO
ESPETÁCULOS

ArQuéTipo

Radar 360º

ArQuéTipo é uma performance escrita para o espaço público que convida o espectador a refletir sobre o tema do“Amor” na sociedade contemporânea. A linguagem artística do projeto situa-se entre a dança e a acrobacia. A peça transporta para o gesto dramático e para as paisagens urbanas, imagens primordiais, símbolos que nos acompanham desde a nossa mais remota existência e que continuam a povoar, até aos dias de hoje, o nosso inconsciente coletivo.

DOM 13 SET, 21H30
AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
CICLO LYNN HERSHMAN LEESON
!WOMEN ART REVOLUTION (!W.A.R.)

EUA, 2010, 83’

Curadoria: Guilherme Blanc (Diretor de Arte Contemporânea e Cinema, Ágora E.M.)

Elaborado a partir do abundante espólio videográfico de Leeson, !W.A.R. relata os principais desenvolvimentos do movimento artístico feminista nos EUA(1960–2000). Combinando entrevistas a artistas, historiadoras e curadoras –como Judy Chicago, Martha Rosler, Adrian Piper ou Guerrilla Girls –, com a apresentação de icónicas obras de arte feministas e imagens de arquivo da época, !W.A.R. é um documento essencial para a compreensão do contributo feminista na transformação radical do panorama artístico e cultural.


Apresentado por: Ana Cachola (Investigadora em Estudos Culturaisno CECC – UCP)


TECHNOCISTEM, CORPO E TECNOLOGIA NA OBRA FEMINISTA DE LYNN HERSHMAN

Foi ‘descoberta’ enquanto artista aos 72 anos, disse-o numa entrevista recente à revista Frieze. Hoje uma figura fundamental na arte contemporânea, a artista Lynn Hershman Leeson viu-se apagada ao longo do tempo por lógicas impostas ao sistema da arte e do cinema, nomeadamente discursivas e de género.Vinculou-se, desde finais dos anos 70 (encarnando no dia-a-dia a personagem ‘Roberta Breitmore’), a preocupações no âmbito das políticas do corpo e da condição da mulher,relacionando-as de forma inventiva com ideias de tecnologia,comunicação e virtualidade. No cinema, filmou um dos mais influentes documentos sobre feminismo, tratou assuntos científicos com preocupações plásticas incomuns, pensou teorias de ligação entre corpos e máquinas, estabeleceu com Tilda Swinton a sua mais prolífica parceria.Bizarros, humorísticos e criticamente envolventes, os seus filmes surgem hoje com pungência, denunciando um a influência inequívoca na linguagem de novos artistas que tratam problemáticas digitais e de identidade; nem sempre compreendidos ou apreciados, traduzem-se atualmente em obras de grande iconoclastia visual, mas também crítica.Em cinco sessões, propomos mostrar a forma como– através da ficção, da linguagem documental e do ensaio – a obra da artista antecipou visualidades e conceitos que marcam práticas artísticas atuais, testando limites e relações entre o cinema e o ‘filme de artista’, explorando problemáticas culturais que hoje são incontornáveis.

SEX4SET,19H-20H

LOCAL AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA

RÁDIO ESTAÇÃO RESSOA EM DIFERIDO